Home > Notícias > Brasil > Lula é citado 68 vezes na sentença que condenou Antonio Palocci

Reforma sem votos

O presidente e os ministros Palacianos (Eliseu Padilha e Antonio Imbassahy) se esforçam no contato pessoal com deputados (Foto: Divulgação)

O presidente Michel Temer só tem hoje 234 deputados a favor da reforma da Previdência, embora precise de 308 para aprovar o texto. É o que mostra uma pesquisa realizada por entidades sindicais: 279 deputados se disseram contra reforma como está. A sondagem foi feita pela Pública Central do Servidor, o Sindilegis (Sindicato dos Servidores do Legislativo Federal e TCU) e a CSMP (Confederação Nacional dos Servidores Públicos Municipais).

Aperto

Não há hoje 49 votos no Senado pela PEC. Daí a onda de mudanças no texto para agradar a entidades que têm boa representatividade junto a senadores.

Pode piorar

Na pesquisa, 33 deputados optaram por não responder e 15 se disseram indecisos – o que pode piorar o cenário para Temer.

Força-tarefa

Desde semana passada, o presidente, pessoalmente, e os ministros Palacianos (Eliseu Padilha e Antonio Imbassahy) se esforçam no contato pessoal com deputados.

TSE & Palácio

Michel Temer está tranquilo na votação do processo de cassação da chapa com Dilma no TSE. O placar pode ser bem mais favorável do que o esperado – de um voto de vantagem para que fique no cargo. A eventual entrada de dois ministros se o processo se esticar pode ajudar o peemdebista.

Peso no placar

Em alguns dias estreia Admar Gonzaga no lugar de Henrique Neves. Gonzaga foi advogado da fundação do PSD de Gilberto Kassab, hoje ministro das Comunicações. Se o processo se esticar até maio, Temer poderá indicar outro(a) ministro(a) no lugar de Luciana Lóssio, a ex-advogada de Dilma que foi indicada à Corte pela então presidente.

No mais…

… Isso não quer dizer que os futuros ministros(as) poderão votar pró-Temer. Mas em se tratando de Brasil.

Não decolou

Menina dos olhos do ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), a Agenda Brasil – conjunto de projetos e propostas para “Melhoria do ambiente de negócios”, “Equilíbrio fiscal” e “Proteção social” – não decolou.

Mais briga

Por decisão do atual presidente, Eunício Oliveira (PMDB-CE), a Agenda será extinta. Mais um capítulo do acirramento da tensa relação entre os caciques peemedebistas.

Vem encrenca

Uma bomba vem aí no já combalido Rio de Janeiro no quesito contas públicas. Eduardo Paes teria bancado com dinheiro da prefeitura uma grande obra hoje dita privada.

Governabilidade

O senador João Capiberibe (PSB-AP) quer explicações sobre a transferência da Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura para o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Enviou ofício ao ministro Marcos Pereira questionando a infraestrutura e o orçamento da pasta para as demandas.

Estratégia

Capiberibe classifica a transferência como “autoritária” e afirma que “a mudança seria motivada pela necessidade de Temer garantir apoio político para votação de projetos polêmicos no Congresso nos próximos meses”.

Relações

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luis Almagro, se reunirá em Brasília amanhã com o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira. Vão falar sobre a 47 Assembleia-Geral da Organização, em junho, no México, a situação na Venezuela e os recentes ataques dos EUA à Síria.

Ponto Final

“Os ajustes vão no sentido de buscar um equilíbrio maior, um senso de justiça maior. Não há risco de quebrar a espinha dorsal daquilo que tem o objetivo de trazer a regularidade fiscal.” Do relator da Reforma da Previdência, deputado Arthur Maia (PPS-BA).

Comentários