Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

Brasil O salário mínimo ficará dois anos sem reajuste acima da inflação caso a proposta emergencial do governo seja aprovada

Febram não concorda com a decisão do Banco Central. (Foto: USP Imagens)

O salário mínimo ficará dois anos sem reajustes acima da inflação, caso o Congresso Nacional dê o sinal verde para a chamada PEC emergencial apresentada nesta terça-feira (5), pelo governo. A medida pretende acionar gatilhos de ajuste de curto prazo para equilibrar as contas públicas.

Até o início deste ano, a política de valorização do salário mínimo previa reajuste pela inflação mais o crescimento do PIB de dois anos antes, o que garantia ganhos reais ao piso nacional. Hoje, o salário mínimo está em R$ 998.

A lei que criou a política, porém, perdeu eficácia e até agora não há nenhum substituto. A proposta orçamentária para o ano que vem já prevê reajuste do salário mínimo apenas pela variação da inflação, chegando a R$ 1.039.

A PEC emergencial proposta pelo governo prevê o acionamento imediato dos gatilhos de ajuste previstos na regra do teto de gastos, que limita o avanço das despesas à inflação. Uma delas é justamente a vedação de reajuste real ao salário mínimo. As medidas ficam vigentes por dois anos.

“Aprovada PEC emergencial este ano, não poderá ter aumento real do salário mínimo para 2020 e 2021”, reconheceu o diretor de programa da Secretaria Especial de Fazenda, Jeferson Bittencourt.

Agenda de transformação

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Plano Mais Brasil não se trata de um pacote, já que não é um decreto a ser cumprido, mas sim propostas a serem discutidas com o Congresso Nacional. “Chamar de pacote não reflete o espírito, é uma agenda de transformação”, afirmou.

Guedes disse ainda que as medidas poderão ser modificadas no Congresso Nacional e que isso faz parte da democracia. “Estamos extasiados com possibilidade de Estados e municípios (que tinham saído da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados) voltarem à reforma da Previdência agora no Senado, é como a democracia funciona”, exemplificou.

Segundo o ministro, o presidente Jair Bolsonaro colocou alguns limites para essa agenda de transformação. Uma das medidas pretendidas por Guedes, a retirada da garantia do reajuste do salário mínimo pela inflação, foi descartada a pedido do presidente.

“Bolsonaro é homem de enorme intuição política. (O presidente disse) ‘Ô ministro, você acaba de fazer enorme reforma da Previdência, a turma ainda tá meio tonta, você ainda quer desindexar o dinheiro dos velhinhos? Que história é essa?’. Ok, é verdade, entendi. Tá cedo mesmo”, narrou Guedes.

Ele reconheceu que, com a inflação em níveis baixos, não há necessidade premente de fazer a chamada desindexação, que é retirar a obrigatoriedade da reposição pela inflação. “Com inflação subindo 2%, 3%, vou tirar dinheiro do velhinho que tá comprando remédio?”, disse.

Guedes já havia dito que a agenda liberal do governo precisa ser implementada aos poucos, uma vez que o País não está preparado para acabar com algumas regras de correção de benefícios. “Liberais nunca são revolucionários. São evolucionistas.”

O ministro da Economia evitou cravar um prazo para a aprovação das propostas, mas disse não temer o risco de as propostas serem desfigurados no Congresso. A aposta de Guedes para o avanço das medidas é o “clima extraordinário” de cooperação que, segundo ele, existe entre lideranças no Congresso e a equipe econômica. “Eu não arriscaria prazos, prefiro que haja mais tempo para conversarmos sobre tudo isso.”

Guedes ressaltou que o Congresso já aprovou a mais urgente das reformas, que era a da Previdência. “Agora temos um pouco mais e tempo para redesenharmos o Estado brasileiro”, afirmou. “Realmente não tenho receio de isso ser fragmentado, pulverizado, desfigurado, pelo contrário. Temos uma belíssima agenda.”

Na sua avaliação, mesmo sem arriscar prazos é possível dizer que a reforma administrativa é uma das que devem ser aprovadas rapidamente.

Guedes contou que sua prioridade pós-Previdência era o controle da despesa pública, mas foi a própria classe política que o encorajou a apresentar um conjunto maior de medidas para atacar outros problemas e remodelar o Estado brasileiro.

“O interessante é que, ao contrário da Previdência, em que havia clima tenso, não se falava a mesma língua, as linguagens estavam dissociadas… curiosamente após esse diálogo inicial houve muita construção de boa vontade. E justamente eu diria que a ideia de colocar agora uma coisa mais ampla foi consenso político das lideranças”, disse.

“Eu diria que isso está sendo um processo de construção conjunta. Como foi conjunta a construção da Previdência, embora tenha tido mais atrito. Eu diria agora que está tendo mais cooperação”, afirmou. “Essa abertura de leque foi sugerida pela própria classe política.”

Voltar Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

O Grêmio realizou um treino técnico com foco no CSA e no G-4 do Brasileirão
Equipe econômica coloca em PEC “cota de sacrifício” para servidores públicos
Deixe seu comentário
Pode te interessar