Domingo, 08 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fair

Mundo Três em cada dez americanos têm armas: A maioria diz que busca se proteger

Fuzis semiautomáticos são vistos à venda em loja de Las Vegas. (Foto: Reprodução)

Com cinco armas em casa duas pistolas, uma espingarda, um fuzil e um rifle “estilo Velho Oeste” , o servidor público que pede para ser identificado apenas como Steve, 57 anos, afirma que felizmente nunca teve de usá-las para se proteger.

Armas são como um seguro. Você não quer ter de usá-las, mas, se precisar, é bom que elas estejam ali”, diz o morador de Montgomery, no Alabama, que pretende comprar “mais algumas” no futuro. “Eu não caço, mas quero ter um rifle de caça, por via das dúvidas. Vivemos num mundo assustador.” As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Steve está entre os 30% da população adulta norte-americana que possui armas. Neste grupo, faz parte dos 29% que têm cinco ou mais armas e dos 67% que dizem tê-las para proteção, segundo uma pesquisa do Pew Research Center publicada em junho.

Depois do maior ataque a tiros da história dos EUA, na noite do último domingo (1º), em Las Vegas, onde morreram 59 pessoas e mais de 500 ficaram feridas, a parcela armada da população contesta o clamor imediato por mais rigor à venda de armas.

Neste grupo, apenas 29% dizem que leis mais restritas contribuiriam para reduzir o número de ataques em massa. A maioria (53%) diz que não faria diferença. Entre os que não possuem armas, 56% acreditam que mais limitações ao comércio de armas significariam menos mortes.

A divisão no país sobre o tema é ainda mais profunda no recorte partidário. Enquanto 76% dos americanos que se identificam como republicanos consideram mais importante proteger o direto ao porte de armas do que limitar o acesso a elas, do lado democrata apenas 22% concordam com isso.

A diferença (54 pontos percentuais) aumentou consideravelmente na última década. Em 2008, 47% dos republicanos e 30% dos democratas concordavam sobre uma maior necessidade de proteger os direitos a ter armas.

Hoje, o tema só perde em polarização para a proposta de Donald Trump de construção de um muro na fronteira com o México, estando à frente de assuntos como legalização do aborto, casamento gay e legalização da maconha.

Uma maior divisão foi vista depois de ataques como o da escola primária Sandy Hook, em Newtown, Connecticut, que matou 26 (sendo 20 crianças) em 2012, e na boate gay Pulse, em Orlando, onde 49 morreram em 2016. Após as duas chacinas, parlamentares democratas tentaram passar no Congresso projetos de lei com maior controle para a venda de armas, sem sucesso. Do outro lado, o lobby de armas reforçou a atuação no Congresso.

Segundo o Center for Responsive Politics, que monitora doações de campanha, só a NRA (Associação Nacional de Rifles, na sigla em inglês), gastou quase oito vezes mais nas eleições de 2016 US$ 51,9 milhões para 86 candidatos do que nas de 2010 US$ 6,6 milhões para 93.

Todas de Mundo

Compartilhe esta notícia:

Nenhum candidato da história recente dos Estados Unidos vinculou sua campanha com a defesa do porte de armas como Donald Trump
O chefe do governo espanhol descarta diálogo com a Catalunha
Deixe seu comentário
Pode te interessar