Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Mundo Vistos dos Estados Unidos para brasileiros com formação superior crescem mais de 27%

Serviço de imigração nos Estados Unidos. (Foto: Jaime Rodriguez Sr./US CBP )

No ano passado, o Departamento de Imigração dos Estados Unidos emitiu 4.458 vistos para brasileiros que decidiram morar, para trabalhar ou estudar, no país. O número representa um crescimento de 27,3% na comparação com o ano anterior. Até 2014, a concessão desse tipo de visto não passava de 2 mil por ano. Agora, perfil inclui brasileiros com formação superior. As informações são do jornal O Globo.

Quando se pensa em brasileiros interessados em viver nos EUA, o que logo vem à mente são as pessoas que tentam chegar ao país atravessando a fronteira com o México longe do olhar das autoridades ou entram como turistas e acabam extrapolando o tempo do visto. Um novo perfil, porém, tem ganhado destaque. Cresce o número de profissionais com graduação e currículo extenso em suas áreas de atuação que decidem emigrar para os Estados Unidos, passando por todos os ritos legais para viver o sonho americano.

“Aumenta a quantidade de profissionais liberais já estabelecidos no Brasil e de executivos com experiências em grandes empresas que querem a segurança pública e a boa educação para os filhos disponíveis nos Estados Unidos”, diz Leonardo Freitas, especialista em imigração do Hayman-Woodward, escritório de advogados especializados nesse tipo de processo.

Dados do Itamaraty estimam que há 1,6 milhão de brasileiros em cidades americanas. Embora não haja pesquisas recentes, estima-se que a maioria, sobretudo de jovens, entrou no país de forma ilegal ou não voltou ao Brasil após o fim do prazo previsto no visto de turista. Mas as características de quem entra legalmente chamam a atenção.

Com base na análise dos dados oficiais do governo americano, o Hayman-Woodward publicou uma pesquisa que mostra o perfil dos brasileiros que receberam o visto de permanência no ano passado. A maior parte, 89%, tem no mínimo graduação, e 66% estão na faixa entre 30 e 49 anos.

A partir do histórico de dados dos seus clientes, o Hayman-Woodward estima que a renda média do brasileiro que emigra para os EUA é de US$ 55 mil ao ano, pouco acima da renda média do americano, que é de US$ 53 mil.

“Ano a ano vem crescendo a intenção de residência permanente por parte do brasileiro. Isso começou há uns cinco anos, quando o Brasil começou a perder força econômica. Diferentemente do passado, vivemos uma fuga de cérebros. São profissionais com mestrado, doutorado”, diz Pedro Drummond, sócio da consultoria Drummond Advisors.

Opção mais procurada

São muitas as categorias de visto para se mudar para os EUA, mas os mais pedidos são baseados em habilidades extraordinárias. Formação e experiência na área de saúde, economistas, profissionais de tecnologia da informação e piloto de avião são algumas das carreiras que têm demanda alta em solo americano.

Drummond alerta que, mesmo com visto, há condicionantes nessas autorizações de trabalho, que devem ser cumpridas para evitar deportação.

“O importante é nunca violar os termos do visto. Eles têm limitações de tempo e escopo, ou seja, quanto tempo pode ficar e o que pode fazer. Se violar, está sujeito a deportação e a não ter outros tipos de visto emitidos”, reforça, referindo-se às pessoas que possuem visto de negócios ou de turismo e tentam trabalhar nos EUA.

tags: euavistos

Voltar Todas de Mundo

Compartilhe esta notícia:

Donald Trump usa brecha na lei para levar pena de morte a estados norte-americanos que proíbem execuções
Autor de livros sobre massacres de Columbine e Parkland diz que “dar armas nas mãos de professores é uma ideia terrível”
Deixe seu comentário
Pode te interessar