Segunda-feira, 30 de Março de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
20°
Fair

Brasil A atriz Patrícia Pillar declarou voto em Ciro Gomes para alertar sobre notícias falsas com seu nome

Patrícia Pillar postou vídeo no Instagram. (Foto: Reprodução/Instagram)

A atriz Patrícia Pillar, 54, compartilhou em suas redes sociais um vídeo em que declara voto em Ciro Gomes (PDT) e afirma ter sido alvo de “fake news”, além de ter sua imagem associada erroneamente ao candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

A atriz foi casada por 12 anos com Ciro Gomes (PDT), de quem se separou em 2011. Em um meme que circula na internet com sua foto, consta a frase “gente, eu nunca fui casada com o Bolsonaro, quem me batia era o Ciro Gomes”. Segundo ela, a afirmação é falsa.

“Estão usando a minha imagem para divulgar notícias falsas, favorecendo um candidato que jamais seria o meu. Eu nunca sofri nenhum tipo de violência por parte de ninguém. Isso é totalmente falso”, afirma. A atriz já havia se manifestado contra Jair Bolsonaro, compartilhando a hastag #elenão em seu Instagram.

“Quero dizer também que independente de quem é o seu candidato o que a gente precisa agora é de paz e de respeito. Eu desejo uma excelente eleição para todos nós, porque é o que o Brasil precisa”, completou a atriz, que esteve na série “Onde Nascem os Fortes”.

Em um segundo vídeo, a atriz disse que sempre gostou de política. “Política como possibilidade de diálogo, como uma troca de ideias, uma coisa positiva pra vida das pessoas . E o que eu defendo é um caminho novo, diferente do que está aí”, afirmou, declarando seu voto em Ciro Gomes.

“O meu candidato é o Ciro Gomes, porque eu acredito no projeto que ele tem para o Brasil. Eu conheço o Ciro e voto no Ciro Gomes. Boas eleições para todos nós e não deixe de votar. O seu voto é muito importante”, finalizou.

Afastado da campanha nas ruas há duas semanas, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) manteve a liderança da corrida presidencial, de acordo com uma pesquisa feita pelo Datafolha. Conforme o levantamento, concluído na quarta (19), o capitão reformado do Exército alcançou 28% das intenções de voto, seguido por Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT) com, respectivamente, 16% e 13% das preferências.

Assim como a atriz, outros famosos tiveram suas imagens associadas a certos candidatos e foram pressionados a revelar seu voto, como Anitta, que usou as redes sociais para pedir respeito por escolher não declarar seu candidato.

“É totalmente incoerente dizer que eu apoio a morte à comunidade LGBTQ+ quando eu faço parte dela. Estaria apoiando minha própria morte”, escreveu a cantora em sua conta no Twitter.

Durante um show realizado na noite desta sexta-feira (21), a cantora foi novamente pressionada pelo público com cartazes que pediam para ela aderir a hashtag contra Bolsonaro.

Na apresentação, Anitta explicou que não precisava aderir a nenhum movimento político para demonstrar sua posição sobre temas polêmicos.

“Assim como vocês eu sou humana e tenho momentos difíceis na minha vida. E nem sempre a gente está preparado. O posicionamento não significa uma hashtag. O posicionamento significa toda uma vida que a gente trabalha e a gente faz. As nossas atitudes falam muito mais do que qualquer coisa que a gente possa dizer, postar”, disse.

“Eu vim aqui mais uma vez falar sobre eleições, estão usando meu nome para travar campanha e discursos políticos do qual eu não faço parte. Ontem eu me pronunciei pelas redes sociais dizendo claramente sobre quem sou eu e no que eu acredito”, explicou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Após Alckmin, Bolsonaro também usa “risco Venezuela” em um vídeo de campanha
“Se eu tivesse me apaixonado por Marlene, teria dito”, disse Xuxa em entrevista na Argentina
Deixe seu comentário
Pode te interessar