Últimas Notícias > CAD1 > O Inter enfrenta, nesta quinta, o Pelotas em casa na segunda rodada do Gauchão

Calor exige manejo adequado para combater carrapatos

Criadores também devem evitar aplicação de antiparasitários durante o dia devido às altas temperaturas. (Crédito: Conexão Delta G Divulgação)

A chegada do verão traz desafios para a manutenção da sanidade dos rebanhos e garantia de qualidade na atividade pecuária, pois o período é fundamental no ciclo de produção. O estágio é de término da estação de nascimentos e início da estação reprodutiva. Por isso, neste momento de cuidados com o rebanho de cria, algumas atitudes de manejos adequados precisam ser tomadas para evitar um dos maiores inimigos dos criadores de animais de corte: o carrapato.

Segundo o presidente do Conselho Técnico da Conexão Delta G, Bernardo Pötter, a recomendação para esta época é observar atentamente a incidência de carrapatos, que estão atualmente na segunda geração. Explica que no Rio Grande do Sul há três gerações de carrapatos bem reconhecidas, com pequenas variações nas diferentes regiões do Estado. Na primavera, principalmente, há o aumento das temperaturas e da umidade e todos os ovos e larvas que estão no ambiente eclodem e passam a parasitar os bovinos. E este é o momento para ações que evitem uma superpopulação dos parasitas na terceira geração, que ocorre no início do outono.

Uma das principais recomendações, de acordo com o especialista, é a aplicação do Amitraz, medicamento antiparasitário que combate o carrapato, ao final do dia, para que o rebanho não seja prejudicado com o problema do calor. “O Amitraz é muito abrasivo, se banhar de manhã o animal vai passar o dia todo com isto no corpo, com o calor o animal não consegue dissipar o calor direito”, observa.

Entre outros cuidados, Pötter salienta também que nesta época quente, sombra e água fresca fazem diferença para os animais, principalmente por se tratar de uma época de cria. “Vai facilitar muito o trabalho do pecuarista juntar o gado bem cedo quando ainda não está muito quente. Além disso, é preciso cuidar o estado dos touros para ver se algum não precisa descanso, utilizando touros mais descansados. Tudo influencia nos resultados de taxa de prenhez e peso ao desmame”, salienta.

Pötter afirma que o melhoramento genético atual já pode auxiliar no controle do carrapato bovino através da seleção genômica, uma área nova dentro da genética que vem surtindo resultados animadores no Rio Grande do Sul e fora dele. Há dez anos, a Conexão Delta G desenvolve juntamente com a Embrapa Pecuária Sul, de Bagé (RS), e o Gensys Consultores Associados, com apoio da Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB), projeto de seleção genômica para identificar animais mais resistentes ao carrapato, e que vem trazendo resultados positivos aos que adquirem a genética provinda destes exemplares.

Deixe seu comentário: