Últimas Notícias > Fama & TV > Celebridades > Gloria Maria passa por uma cirurgia no cérebro em hospital no Rio de Janeiro

Conheça os tipos de câncer mais comuns em homens e mulheres

O tabagismo é um dos hábitos quem podem causar câncer. (Foto: Banco Mundial/ONU)

O câncer pode surgir em qualquer parte do corpo, sendo que alguns órgãos são mais afetados do que outros e há tipos mais comuns em homens e mulheres. O diagnóstico da doença é sempre muito difícil, mas e se você soubesse que poderia evitá-la com algumas mudanças de hábitos?

Já é consenso entre médicos e na literatura científica que um estilo de vida não saudável estaria associado ao aumento no risco de 20 tipos de câncer. Entre eles estão pulmão, cólon e reto, útero, mama e próstata.

Tabagismo, consumo de álcool, excesso de peso, alimentação não saudável e falta de atividade física seriam os cinco principais motivos que levam as pessoas a serem mais propensas a desenvolver algum câncer.

Entre os homens, os tipos de câncer mais comuns são próstata (31,7%), traqueia, brônquio e pulmão (8,7%) e colorretal (8,1%). Nas mulheres os tumores mais comuns são de mama (29,5%), colorretal (9,4%) e colo do útero (8,1%).

Câncer de pele

A exposição solar inadequada é o principal fator que leva ao surgimento do câncer de pele. Entre as outras causas estão a predisposição genética, a exposição constante a raios X (como radiografias) e a substâncias químicas (como arsênio e outros produtos tóxicos) e ao vírus HPV.

Karla Assed, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatolog, explica quais medidas podem ser adotadas no dia a dia para prevenir o câncer de pele. “Evitar exposição solar entre 10h e 16h, usar constantemente protetores solares químicos e físicos (como chapéus e viseiras), óculos escuros e dar preferência a roupas com proteção UV.”

Câncer colorretal

Terceiro mais frequente em homens e o segundo entre as mulheres, o câncer colorretal é uma doença multifatorial, afirma Ricardo Carvalho, titular do departamento de tumores gastrointestinais da Beneficência Portuguesa de São Paulo. Embora haja fatores genéticos, que são raros, as causas são geralmente externas.

“Obesidade, dietas com alta ingestão de carne vermelha, processados, industrializados e alimentação pobre em frutas, vegetais e fibras”, enumera o médico. Tabagismo e alcoolismo também são causas possíveis.

Assim, uma dieta com produtos saudáveis, naturais, é o mais indicado para prevenir o câncer colorretal. A doença é tratável e frequentemente curável, mesmo nos casos de metástase, dependendo da extensão.

Câncer de traqueia, brônquio e pulmão

Segundo colocado entre os tumores mais frequentes nos homens, o câncer de pulmão tem relação muito forte com exposições ambientais e ocupacionais a carcinógenos, diz Gustavo Prado, coordenador da Comissão Científica de Câncer de Pulmão da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia.

Câncer de próstata

Segundo o urologista Mauricio Rubinstein, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Minimamente Invasiva e Robótica, já foi descoberto que, na grande maioria dos cânceres, uma dieta rica em gordura saturada pode aumentar a incidência da doença. No caso da próstata, isso também é válido.

Homens que se expõem a produtos químicos tóxicos, como arsênio, produtos de petróleo, fuligem e dioxinas têm risco aumentado de diagnóstico de câncer de próstata. “Essas substâncias ajudam a promover mutações nas células da próstata, facilitando o aparecimento de um caso de câncer”, explica.

Câncer de mama

A idade é o fator de risco mais importante para o câncer de mama. Mas estilos de vida que levam à obesidade, ao sedentarismo e mulheres que nunca engravidaram ou as que deixaram para engravidar mais tarde, acima de 30 anos, também são um risco de desenvolver a doença, segundo a ginecologista Maria Cecília Erthal, diretora-médica do Vida – Centro de Fertilidade. O consumo de bebidas alcoólicas também aumenta o risco, assim como a exposição a radiações ionizantes, como a radioterapia.

Outra causa possível, de acordo com a médica, é o uso de medicações hormonais, como a pílula anticoncepcional e a terapia de reposição na menopausa por um período superior a cinco anos. Ela afirma que mudanças de hábitos influenciam de forma positiva, não só diminuindo o risco da doença como melhorando a evolução dos casos já diagnosticados.

Câncer de colo do útero

Maria Cecília diz que o fator de risco mais importante para o câncer de colo de útero é a infecção pelo papiloma vírus humano, que é transmitido pelo ato sexual.

No quesito hábitos de vida, ela afirma que tanto a obesidade como tabagismo aumentam o risco do câncer de colo de útero.

A vacina contra o HPV também é uma forma importante de prevenção do câncer de colo do útero e deve ser aplicada em meninas de nove a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos, preferentemente antes da primeira relação sexual. A vacina é disponibilizada pelo SUS.