Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A ministra do Supremo Rosa Weber decidiu liberar para plenário ações que contestam o fatiamento de impeachment da ex-presidente Dilma

O Conselho de Segurança da ONU rejeitou o pedido da Rússia de condenação aos ataques na Síria

Rússia, a China e a Bolívia votaram a favor do projeto de resolução. Oito países votaram contra, quatro se abstiveram. (Foto: Reprodução)

O Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) rejeitou neste sábado (14) resolução russa que pedia uma condenação dos ataques à Síria. A minuta da resolução proposta pela Rússia considerava que o ataque dos Estados Unidos e de aliados ao regime sírio representa uma violação do direito internacional e da Carta das Nações Unidas.

Na resolução, a Rússia pedia ainda às três nações que orquestraram o ataque (França, Reino Unido e Estados Unidos) que evitassem no futuro o uso da força contra o regime de Bashar al-Assad. Contudo, apenas a Rússia, a China e a Bolívia votaram a favor do projeto de resolução. Oito países votaram contra a proposta, enquanto quatro se abstiveram.

Uma resolução do Conselho de Segurança da ONU precisa de nove votos a favor e nenhum veto pela Rússia, China, França, Reino Unido ou Estados Unidos para ser aprovada. A ofensiva dos Estados Unidos e aliados foi orquestrada após controvérsias envolvendo o uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad. Por isso, de acordo com os EUA e aliados, a ação teve por dentre seus alvos centros de pesquisa relacionados à produção desses armamentos.

Após o ataque, o Exército sírio informou que a ação deixou três civis feridos após alguns mísseis que estavam indo para uma posição militar em Homs serem desviados de sua trajetória. O Pentágono, por sua vez, diz que não há vítimas.

Agradecimento

O presidente norte-americano, Donald Trump, agradeceu neste sábado (14) em postagem no Twitter a “sabedoria” e o poder militar da França e Reino Unido no ataque conjunto contra a Síria, realizado. A ofensiva norte-americana foi orquestrada após controvérsias envolvendo o uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad.

Dana White, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, sugeriu neste sábado (14) que a ação é pontual e que não há intenção dos EUA de entrar no conflito sírio.

“Um ataque perfeitamente executado na noite passada. Obrigado à França e ao Reino Unido por sua sabedoria e pelo poder de seus excelentes exércitos. Não poderia haver resultado melhor. Missão cumprida!”, comemorou o presidente dos Estados Unidos no Twitter.

Trump continuou: “Estou muito orgulhoso do nosso exército que será, depois de investidos bilhões de dólares aprovados, o melhor que o nosso país já teve. Não haverá nada, ou ninguém, sequer próximo!”

Enquanto Trump comemorava, a Rússia chamou a reunião no Conselho de Segurança da ONU. Para Putin, os Estados Unidos pioram a crise humanitária na Síria. A Rússia é uma das principais aliadas do regime de Bashar al-Assad.

“Com as suas ações, os EUA pioram ainda mais a catástrofe humanitária na Síria. Eles levam sofrimento para a população civil e toleram os terroristas que torturam há sete anos o povo sírio”, disse Putin, em comunicado divulgado pelo Kremlin.

A investida contra a Síria foi anunciada pelo próprio Donald Trump em pronunciamento na Casa Branca, na noite de sexta-feira (13), como resposta ao suposto ataque químico contra a cidade síria de Duma no último fim de semana. O regime sírio nega o uso de armas químicas.

 

Deixe seu comentário: