Últimas Notícias > Capa – Destaques > Presidente do Chile decreta estado de emergência após protestos contra o aumento da passagem do metrô

Jennifer Aniston fala sobre chegar aos 50 anos: “Fisicamente incrível”

Jennifer Aniston fez 50 anos em fevereiro e está em nova série. (Foto: Reprodução/Instagram)

Jennifer Aniston está melhor do que nunca. Com 50 completados em fevereiro, a atriz foi escolhida para estrelar a edição especial de beleza da revista americana ” InStyle ” e falou sobre a nova idade. “Eu nem sei o que significa porque não me sinto diferente. Nada está parando. Sinto-me fisicamente incrível. Então, é estranho quando falam: ‘você está bem para a sua idade’. A gente precisa estabelecer uma etiqueta sobre esse diálogo”, disse ela. As informações são dos jornais O Globo e Estado de S. Paulo.

A única coisa que ela disse não gostar é ficar grisalha. “Não vou mentir, não gosto dos cabelos brancos .”

Nova série

Ao lado de Reese Witherspoon, Jennifer irá estrelar a série “The Morning Show”, para o novo serviço de streaming da Apple, e o programa fala sobre o abuso de poder dentro da televisão. Ao contrário de sua personagem, no entanto, a atriz garante que está vivendo um momento bem poderoso, tanto em sua vida pessoal, quanto profissional: “As mulheres nunca tiveram permissão de serem poderosas. O poder é sexy para mim agora, assim como a inteligência das mulheres e como elas são criativas e capazes”.

A atriz também contou que, apesar de The Morning Show falar sobre os abusos do mundo do entretenimento, a ideia para a série veio bem antes do movimento #MeToo tomar conta da indústria cinematográfica norte-americana, ao lado dos relatos de assédio cometidos poer Harvey Weinstein.

“O programa sempre foi sobre abuso de poder, e mulheres e o machismo. Nós vendemos no verão, e [o caso] Harvey surgiu no outono. Reese e eu pensamos: ‘o programa vai ser escrito por si mesmo’. Foi como se o universo estivesse implorando para que essa sociedade patriarcal fosse exposta. Foi louco.”

50 anos

Em setembro de 2018, meses antes de completar 50 anos, em 11 de fevereiro deste ano, a atriz já tinha falado à revista sobre o tema.

“Os equívocos são ‘Jen não pode manter um homem’ e ‘Jen se recusa a ter um bebê porque é egoísta e comprometida com sua carreira. Ou que eu estou triste e com o coração partido. Em primeiro lugar, com todo o respeito, eu não estou de coração partido. E segundo, essas são suposições imprudentes. Ninguém sabe o que está acontecendo entre quatro paredes. Ninguém considera o quão sensível isso pode ser para mim e para meu parceiro, eles não sabem do que eu passei, medicamente ou emocionalmente. Há uma pressão sobre as mulheres para serem mães. Talvez meu propósito neste planeta não seja procriar. Talvez eu tenha outras coisas que eu deveria fazer?”, disse na ocasião, segundo o portal UOL.

Também falou sobre os divórcios. “Eu não sinto um vazio por isso. Meus casamentos tiveram muito sucesso, na minha opinião. E quando eles chegaram ao fim, foi uma escolha feita porque isso nos faria feliz. Às vezes a felicidade não permanece da mesma forma em que a encontramos. Claro, tivemos problemas e nem todos os momentos foram fantásticos, mas nós só temos uma vida e eu não a viveria com medo de fazer algo. Medo de estar sozinha. Medo de não ser capaz de sobreviver. Ficar em um casamento por medo faz com que você pratique um desserviço a si mesma”, disse à “Elle”, em 2018.

“Nesta idade, você deveria se casar; nessa idade, você deve ter filhos. Isso é um conto de fadas. Esse é o molde do qual estamos tentando sair aos poucos. O que quantifica a felicidade na vida de alguém não é o ideal que foi criado nos anos 50. Não é como se você ouvisse essa narrativa sobre qualquer homem “, disse à edição da “Elle” em que “libertou os mamilos”.

“Eu não acho que a vida pare depois dos 50 anos. Na verdade, fica mais e mais emocionante. Por alguma razão, nós não celebramos ou respeitamos o envelhecimento. É algo que nós olhamos como algo negativo, e ainda assim cada pessoa neste planeta faz isso. Eu não entendo porque não é algo que é celebrado, porque existe uma espécie de data de validade para ser uma pessoa a que vale a pena assistir e ter uma história sendo contada por você”, disse à “Glamour”, em 2017.