Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, aprovou remédio genérico para o tratamento do câncer de próstata

Meia do PSG defendeu os “privilégios” a Neymar. “Ele pode”, disse

Os bastidores do clube não estariam dos melhores, principalmente por conta dos privilégios exigidos por e reservados a Neymar. (Foto: Reprodução)

Um dos jogadores do PSG (Paris Saint-Germain) tratou de desmentir polêmicas apresentadas pela mídia europeia envolvendo Neymar.

Nas últimas semanas, os noticiários do Velho Continente têm veiculado que os bastidores do clube não estão dos melhores, principalmente por conta dos privilégios exigidos por e reservados ao brasileiro.

O meia alemão Julian Draxler, porém, fez questão de sair em defesa do companheiro e disse que está tudo bem nos vestiários da equipe.

Titular absoluto das últimas convocações pela Seleção da Alemanha, o jogador ainda apontou que os integrantes do elenco azul e vermelho não têm ciúmes de Neymar. Draxler atentou principalmente para a qualidade do camisa 10 e rechaçou os rumores da imprensa.

“É normal aparecerem muitas notícias com bobagens sobre uma super-estrela como Neymar. Neymar é um cara gentil e educado e que sabe o tamanho de sua importância para o time. Um jogador como ele pode exigir privilégios. Ninguém tem ciúmes ou está zangado com ele no PSG”, comentou o meio-campista de 24 anos.

“Obviamente que a história sobre a penalidade (decisão sobre o batedor oficial) existiu. Poderia ter terminado em um ou dois dias, mas a mídia passou quatro, cinco semanas discutindo isso”, acrescentou, relembrando a polêmica entre Neymar e o centroavante Cavani, que se desentenderam ao discutir quem seria os responsáveis pelas cobranças de bola parada no PSG.

Um dos principais destaques do futebol europeu nas últimas temporadas, Draxler é uma das estrelas do recheado elenco parisiense. Depois de brilhar no futebol alemão defendendo Schalke 04 e Wolfsburg, ele chegou ao futebol francês em janeiro deste ano, em uma contratação que movimentou cerca de R$ 145 milhões à época.

Deixe seu comentário: