Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A inflação para o consumidor avançou na terceira semana de outubro

O deputado detido após ser acusado por atentado a Maduro segue desaparecido, disse a sua família

Juan Requesens foi detido pelo governo venezuelano. (Foto: Reprodução/Twitter)

Na Venezuela, os parentes do deputado Juan Requesens denunciaram neste sábado (11) que o opositor continua “desaparecido” desde que foi detido em casa, há quatro dias, acusado pelo governo como suposto responsável pelo atentado fracassado contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

“O meu filho não é nenhum preso, nem nenhum sequestrado. Para mim, o meu filho segue desaparecido. Eu não o vi, nem o abracei, nem os advogados”, disse Juan Guillermo Requesens, pai do deputado, durante um ato de solidariedade no leste de Caracas, que contou com a presença de aproximadamente 100 pessoas.

A família também denunciou que o chavismo quer “humilhar” Juan Requesens. Na sexta-feira (10) foi divulgado, nas redes sociais, um vídeo que mostra o deputado, de 29 anos, seminu e sem pronunciar uma palavra sequer.

“Esta família não se abala, está mais forte que nunca. Ele continua sendo deputado, com imunidade (parlamentar) intacta”, disse o pai, em alusão à suspensão do privilégio decretada pela ANC (Assembleia Nacional Constituinte), um órgão formado apenas por chavistas e não reconhecido por vários governos.

O ato deste sábado contou com a participação de advogados, defensores dos direitos humanos, congressistas opositores e estudantes. Alguns manifestantes ficaram seminus para expressar solidariedade a Requesens.

A irmã do deputado, Rafaela Requesens, disse não acreditar na veracidade de outro vídeo – apresentado pelo governo -, no qual o legislador acusa o ex-presidente do Parlamento Julio Borges de estar relacionado com um dos detidos pelo atentado contra Maduro.

“Quem o conhece (o deputado Requesens) sabe que não estava em si, porque este regime é capaz de torturar, drogar, fazer com que digam o que eles querem escutar, que só eles acreditam”, armou.

Enquanto isso, Lilian Tintori, esposa do líder opositor Leopoldo López, pediu que as “instâncias internacionais” se pronunciem contra os “tratamentos desumanos, cruéis e a tortura” que, segundo denunciou, ocorrem nas prisões venezuelanas.

“A Venezuela grita por democracia, ajuda. O papa Francisco sabe exatamente como os nossos presos são tratados”, comentou Lilian, ao detalhar que há 366 “presos políticos” no país.

Parlamentar nega acusações

O deputado opositor Julio Borges negou as acusações feitas pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de que teria envolvimento com o suposto ataque com drones registrado no último sábado (4) em Caracas.

Ex-presidente da Assembleia Nacional, o Parlamento do país, Borges disse na sexta-feira (10) que tudo que o governo da Venezuela tem feito depois do atentado é “injetar medo” no país para que a população não reaja e Maduro, que escapou ileso do ataque, siga no poder.

Borges foi acusado, ao lado do também deputado Juan Requesens, de ter tido contato com um suposto coordenador do ataque. Neste sábado, o governo da Venezuela divulgou vídeo que mostra Requesens admitindo ter recebido uma mensagem do colega parlamentar sobre o ataque.

“O Juan Requesens que falou não é o que todos conhecemos. Fizeram algum processo psicológico ou químico para obrigá-lo a falar. Ele estava fora de sua consciência”, disse Borges.

O Sebin (Serviço de Inteligência Bolivariana) prendeu Requesens na terça-feira (7). O governo pediu à Interpol que emita um alerta vermelho para a prisão de Borges, que está na Colômbia. Eles são apenas dois dos 19 acusados pelo governo de terem ligação com o suposto ataque contra Maduro.

Deixe seu comentário: