Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A cirurgia de Bolsonaro para retirada da bolsa de colostomia será realizada após o Fórum Econômico de Davos, disse um médico

O “Negão” campeão de votos e ignorado pela esquerda

Deputado federal eleito visitou Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Facebook).

Ignorado pela mídia e pelos movimentos de defesa de afrodescendentes por não ser de esquerda, o subtenente Hélio Fernando Barbosa Lopes, 49 anos, também conhecido por “Hélio Negão” ou “Hélio Bolsonaro”, foi o deputado federal mais votado no Rio de Janeiro, com 345.234 votos. Ele visitou Jair Bolsonaro no hotel Windsor.

Filiado ao PSL, ele superou o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que obteve 342.491 e ficou com o segundo lugar na votação. Jair emprestou seu sobrenome ao amigo militar, que usou o mesmo número de Eduardo Bolsonaro – filho do presidenciável e que disputou a reeleição em São Paulo, conquistando 1,8 milhão de votos.

Plano para reduzir crimes comandados de dentro dos presídios

Ontem, na sua conta no Twitter,o candidato à presidência da República Jair Bolsonaro anunciou: “Vamos combater o crime organizado e trabalhar para impedir que presos continuem controlando seus empregados de dentro dos presídios!”. Em seguida, provocou seu adversário, Fernando Haddad (PT) : “Pergunto ao pau-mandado do corrupto preso: você aceitaria que o crime organizado continuasse sendo comandado de dentro dos presídios?”.

Na propaganda: Haddad verde-amarelo

A propaganda eleitoral no rádio e TV de Haddad,o candidato da esquerda mostrou ontem a nova estratégia onde ele tenta se descolar do sentimento antipetista, quando diz que “essa campanha não é de um partido, é de todos que querem mudar pra melhor nosso País”. O programa já incorporou as cores verde e amarelo e não se diz mais que “Haddad é Lula”.

Na propaganda: Bolsonaro alerta para Venezuela ou Cuba

O programa do PSL tenta capitalizar ao máximo o sentimento antipetista. Na narração, frases como “vermelho jamais foi a cor da esperança, é sinal de alerta para o que não queremos no País” e “PT nunca mais”. O programa compara ainda o Brasil com Venezuela e Cuba, e cita a criação do Foro de São Paulo como “a semente de um projeto de doutrinação”.

Ranolfo fala para conter debandada rumo a Sartori

Descontes com a pouco enfática declaração de apoio a Bolsonaro do candidato Eduardo Leite (PSDB), aliados da coligação, preocupados com uma debandada rumo à candidatura de José Ivo Sartori, mostraram pequeno alivio com a manifestação do candidato a vice, delegado Ranolfo Vieira (PTB). Ranolfo, mais enfático que Eduardo Leite, afirmou que, por defender princípios cristãos,e a família, apoia Jair Bolsonaro.

Violência na campanha

Indicado para a Casa Civil caso Bolsonaro vença a eleição, o deputado federal Onyx Lorenzoni disse ontem para a jornalista Carolina Bahia, sobre as denúncias de violência: “Mais uma vez, o PT mente. Quem tem tradição de matar companheiros não somos nós”.

Deixe seu comentário: