Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Penitenciária de Porto Alegre realiza ações de inclusão social

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rejeitou as acusações de um livro sobre os bastidores da Casa Branca e disse que é um “gênio estável”

Publicação jornalista Michael Wolff se tornou um best-seller instantâneo. (Foto: Reprodução)

Em mais uma de suas habituais – e muitas vezes polêmicas – postagens no Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, descreveu-se nesse sábado como um “gênio muito estável”. A manifestação ocorreu após a recente publicação de um livro que descreve os bastidores da Casa Branca e questiona a capacidade do bilionário republicano para o cargo mais poderoso do mundo.

“Na verdade, ao longo da minha vida, meus dois maiores recursos foram a estabilidade mental e ser… realmente inteligente”, escreveu Trump. “Eu fui de um homem de negócios muito bem-sucedido para estrela da TV. E para presidente dos Estados Unidos (na minha primeira tentativa). Eu acho que seria qualificado não como inteligente, mas gênio… E um gênio muito estável!”

A publicação, intitulada “Fire and Fury: Inside the Trump White House” (“Fogo e Fúria: Dentro da Casa Branca de Trump”), escrito pelo jornalista Michael Wolff, tornou-se um best-seller instantâneo na última sexta-feira.

O conteúdo da obra (desdenhado por Trump, que o classificou de “um amontoado de mentiras), retrata uma Casa Branca caótica, ocupada desde janeiro do ano passado por um presidente que estava mal preparado para conquistar o cargo e com auxiliares que desprezavam as supostas habilidades do chefe.

“Todos dizem que ele é uma criança”, afirmou o escritor em entrevista ao programa “The Today Show”, da rede televisiva NBC. “O que eles querem dizer com isso é que ele tem a necessidade de gratificação instantânea. É tudo sobre ele. Esse homem não lê, não ouve. Ele é como uma máquina de pinball [um tadicional jogo dos antigos fliperamas], atirando para todos os lados.”

Wolff também afirmou ter falado por três horas com o magnata, antes e depois de sua eleição, para poder escrever o livro. “Conversei com o presidente, e não sei se ele se deu conta ou não de que era uma entrevista, mas não estava em ‘off’ [declaração de entrevistado a ser mantida em sigilo pelo repórter]”, argumentou o autor. A declaração contraria uma postagem de quinta-feira no Twitter, na qual Trump garantiu que “nunca falou para um livro”.

Reação

Os advogados do bilionário tentaram impedir o lançamento da publicação, que estava previsto originalmente para a próxima terça-feira. Diante dessa hipótese, os editores decidiram antecipar para a sexta-feira passada a chegada de “Fire and Fury: Inside the Trump White House”. De acordo com o autor, o livro é baseado em 200 conversas com o presidente e membros de sua campanha que, muitas vezes, ofereceram relatos conflitantes.

O canal CNN revelou na quinta-feira que muitos legisladores norte-americanos, a maioria deles do Partido Democrata, consultaram uma professora de psiquiatria da Universidade de Yale, em dezembro, sobre a saúde mental do presidente do País. “Eles disseram que estavam preocupados sobre o risco que representava a suposta instabilidade mental de um líder para os rumos do país”, contou à CNN a professora Brady Lee, editora do livro “O Perigoso Caso de Donald Trump”, uma série de ensaios de psiquiatras que analisam o estado psicológico do chefe da Casa Branca.