Últimas Notícias > Colunistas > Mala$ do João

Parlamento do Reino Unido impõe nova derrota ao seu primeiro-ministro e adia a decisão sobre a saída da União Europeia

O Parlamento britânico durante sessão extraordinária para decidir o futuro do acordo do Brexit. (Foto: UK Parliament)

O Parlamento do Reino Unido aprovou neste sábado (19) uma emenda que adia a decisão sobre o Brexit. Por 322 votos a 306, os parlamentares determinaram que toda a legislação em torno do acordo de saída dos britânicos da União Europeia deverá ser discutida e aprovada antes do rompimento definitivo com o bloco.

Os parlamentares voltarão a se reunir nesta segunda-feira (21). Em sua conta no Twitter, a Câmara dos Comuns afirmou que “o governo deve solicitar uma extensão” no prazo do Brexit. A decisão frustrou os planos do primeiro-ministro Boris Johnson, que pretendia aprovar o acordo do Brexit ainda neste sábado.

Isso porque Johnson tinha até as 23h59min (horário local) deste sábado para aprovar o pacto, segundo a data-limite imposta por uma lei que proíbe a saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo. Com o fim da sessão do Parlamento, o premiê seria obrigado a pedir uma nova data à UE.

Porém, após a derrota, Boris Johnson afirmou que não irá solicitar um novo prazo. “Não negociarei um atraso com a UE, e a lei não me obriga a fazê-lo”, afirmou. De acordo com a BBC, o primeiro-ministro prometeu apresentar na próxima semana a legislação necessária para implementar o acordo.

Após o resultado, uma porta-voz da União Europeia disse que agora caberá ao governo do Reino Unido informar os próximos passos do Brexit. O líder da oposição, Jeremy Corbyn, comemorou o placar da votação e disse que Johnson “deve cumprir a lei” e pedir à UE o adiamento do Brexit.

Novo referendo?

Em 2016, 17,4 milhões de eleitores, ou 52%, apoiaram o Brexit, enquanto 16,1 milhões, ou 48%, apoiaram a permanência na União Europeia. Desde julho de 2017, existem 226 pesquisas sobre o tema. Desse total, 204 colocaram o apoio à permanência na comunidade europeia à frente, sete deram a liderança para sair e algumas ficaram empatadas.

No entanto, outras pesquisas sugerem que a maioria dos eleitores não mudou de ideia: 50% do público quer respeitar o resultado do referendo, 42% querem que o Reino Unido permaneça na União Europeia e 8% disseram que não sabem.

Os defensores do Brexit dizem que realizar outro referendo aprofundaria as divisões e prejudicaria a democracia.

O desafio para as forças pró-referendo é encontrar apoio suficiente no parlamento. Em abril, quando o governo realizou uma série de votos em várias opções do Brexit, um segundo referendo foi o mais popular, mas ficou aquém da maioria, perdendo de 292 para 280.

Para especialistas, mesmo que outro referendo fosse acordado, levaria meses para se organizar a votação.