Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

Colunistas A cultura da estabilidade

Compartilhe esta notícia:

Cargos na administração pública são, desde muito tempo, uma ambição de jovens indecisos com o seu futuro profissional. Estabilidade, salários bastante acima da média, carga horária mais branda e falta de cobrança por resultados são os principais motivos que conquistam as pessoas para prestar as provas e ingressar no funcionalismo público. O que é provável é que essas pessoas não tenham ciência do enorme prejuízo que a manutenção do tamanho atual do funcionalismo causa para o Brasil.

Hoje as despesas com funcionalismo no país representam cerca de 13,1% do PIB, sendo o maior percentual entre todos os países analisados (acima de Chile, EUA, Portugal, França). O problema se dá não apenas no número de funcionários públicos, mas também no exorbitante valor de remuneração deles: segundo levantamento do Banco Mundial, o setor público paga em média salários 70% superiores aos da iniciativa privada formal e quase três vezes mais do que recebem os trabalhadores informais. Isso coloca os servidores federais no topo da pirâmide de renda do Brasil — 93% do funcionalismo do governo federal fazem parte dos 40% mais ricos da população brasileira. Sete em cada dez desses funcionários integram o grupo dos 10% mais ricos do país. O Estado é o maior concentrador de renda e um dos principais motivos da desigualdade social no Brasil — mas ainda tem gente que insiste em condenar os empresários que sustentam a economia.

Todo esse peso do funcionalismo custa muito caro para o país e para o cidadão. Para suportar tamanha folha, são gerados tributos e endividamentos progressivos, sem falar na perda imensurável de jovens talentos para a administração pública, onde a maioria desempenhará papéis de pouca relevância, que geram resultados compendiosos, quando poderiam estar entregando soluções muito mais relevantes na iniciativa privada.

Estabilidade e garantia de privilégios apenas reforçam o conservadorismo involutivo do cidadão brasileiro, que pretere o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação em negócios em razão da estagnação burocrática do sistema público. É fundamental aprovarmos reformas administrativas para o funcionalismo, e conceder mais liberdade à iniciativa privada, para que essa gangorra seja invertida o quanto antes e o Brasil possa voltar a reivindicar papéis de protagonismo na economia e no ambiente de negócios. Chegou a hora de permitirmos que os jovens que ingressam no mercado de trabalho possam olhar com mais carinho a iniciativa privada.

(Pedro Zanetello, empresário e associado do Instituto de Estudos Empresariais)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

Casa Militar
Por menos parasitas e mais eficiência
Deixe seu comentário
Pode te interessar