Terça-feira, 19 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Notícias A Justiça gaúcha não reconheceu como união estável um relacionamento que durou oito meses

Compartilhe esta notícia:

Decisão do TJ-RS levou em consideração o artigo 1.723 do Código Civil brasileiro. (Foto: Reprodução)

O reconhecimento da união estável entre homem e mulher só é possível quando comprovada a convivência pública, contínua, duradoura e estabelecida com o objetivo de constituir família, conforme prevê o artigo 1.723 do Código Civil brasileiro. Com esse entendimento, a 8ª Câmara Cível do TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul) negou o pedido de uma gaúcha que viveu oito meses com o seu então companheiro.

Após o fim da relação, ela ajuizou ação declaratória de reconhecimento e de dissolução de união estável, cumulada com danos morais. No primeiro grau, o juiz deu parcial procedência à ação. Reconheceu e dissolveu a união e ainda determinou a partilha de um automóvel, adquirido no tempo em que o casal estava junto – entre os meses de janeiro e agosto de 2015.

Contra essa decisão, o homem interpôs apelação cível, argumentando que o relacionamento não preencheu os pressupostos legais que caracterizam a união estável. Afirmou que períodos de namoro foram intercalados por longos períodos de afastamento e que arcou sozinho com as prestações do veículo.

“Arranjo”

Analisando os autos do processo, o relator do recurso na 8ª Câmara Cível, desembargador Ricardo Moreira Lins Pastl, não identificou as características de uma união estável, como define o artigo 1.723 do Código Civil. A seu ver, o ‘‘arranjo’’ conjugal, pelo seu curto tempo, não atende aos pressupostos de durabilidade, estabilidade e seriedade inerentes ao objetivo de constituir família.

“Realço que o período de oito meses é demasiadamente exíguo para que se tenha a relação como estável; isto é, como firme, como constante, como durável”, escreveu Pastl no voto. “As relações entre as pessoas não se desenvolvem com as mesmas características o tempo inteiro, de forma constante, e há, como em tudo, uma evolução e, depois, uma involução. Sendo assim, mesmo os marcos inicial e final afirmados pelas partes experimentam alguma sorte de relativização, já que a relação não é de natureza contábil ou matemática.”

Pastl observou, ainda, que a autora não conseguiu provar que contribuiu para a compra do automóvel nem o interesse mútuo em constituir uma família, seja pela inclusão como dependente de plano de saúde ou pela simples habilitação em clubes e associações.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Saiba como driblar desafio de perder peso na terceira idade
Rio Grande do Sul tem um dos menores índices de mortalidade materna do País
Deixe seu comentário
Pode te interessar