Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

Brasil A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse que não se arrepende da declaração polêmica de que “menino veste azul e menina veste rosa” e que nenhum direito adquirido por homossexuais será retirado

Compartilhe esta notícia:

Damares criticou a possibilidade de um estudante se candidatar a vaga universitária longe de onde a família mora. (Foto: Sérgio Lima/STR)

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou na noite de quinta-feira (03), em entrevista à GloboNews, que não se arrepende da declaração polêmica que deu logo após assumir o cargo, sobre cores para meninos e meninas. Ela também disse que o governo Bolsonaro não vai acabar com nenhum direito adquirido pela população LGBTI (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgêneros).

Na entrevista, Damares voltou a dizer que a frase em que afirma que “menino veste azul e menina veste rosa” era uma “metáfora” contra o que chama de “ideologia de gênero” e explicou a declaração ao responder se estava arrependida, diante da repercussão da fala.

“De jeito nenhum. Foi uma metáfora. Nós temos no Brasil o ‘Outubro Rosa’, que diz respeito ao câncer de mama com mulheres, temos o ‘Novembro Azul’, que é com relação ao câncer de próstata com o homem. Então, quando eu disse que menina veste cor de rosa e menino veste azul, é que nós vamos estar respeitando a identidade biológica das crianças”, disse.

A frase foi registrada em um vídeo feito por apoiadores, logo após Damares assumir o ministério. Ao final da fala, a ministra foi aplaudida pelo público que a cercava em uma sala. A declaração provocou repercussão e foi criticada, ficando entre os assuntos mais comentados nas redes sociais na quinta-feira. Foi criada também a hashtag “cor não tem gênero”.

A Associação Nacional de Travestis e Transsexuais disse em nota que a declaração da ministra “fere a liberdade individual, o direito à autodeterminação e a dignidade da população trans”.

População LGBTI

Damares foi questionada sobre políticas públicas para a população LGBTI e afirmou que “nenhum direito adquirido será violado pelo governo Bolsonaro”, ao comentar sobre a adoção de crianças por casais gays.

“Os homossexuais já podem adotar, e nós não queremos mudar isso. Nenhum direito adquirido vai ser violado pelo governo Bolsonaro, que isso fique claro. O homossexual já pode adotar uma criança. Qualquer pessoa acima dos 21 anos pode, desde que tenha 16 anos de diferença do adotante para o adotado, então isso é direito adquirido.”

Damares afirmou também ser possível combater o preconceito contra gays “sem dizer para a menina que ela não é menina”. “É uma questão de política pública, para que não haja exagero da doutrinação ideológica. Vamos continuar combatendo o preconceito”, afirmou.

Mais cedo, na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou pelo Twitter que, no governo dele, “não haverá abandono de auxílio a qualquer indivíduo nas diretrizes de direitos humanos”. Ele não mencionou na rede social nenhum episódio específico que tenha motivado a declaração.

Na mensagem que publicou na tarde de quinta-feira no Twitter, Bolsonaro declarou que o trabalho de manutenção das diretrizes de direitos humanos caberá à Secretaria Nacional da Família, à Secretaria Nacional de Proteção Global e ao Conselho Nacional de Combate à Discriminação.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Dados da chanceler Angela Merkel e de centenas de políticos alemães foram hackeados
Homem armado com faca é morto por policial militar na rodoviária de Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar