Sexta-feira, 05 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Light Rain

Brasil A Polícia Federal desarticula quadrilha de “um dos maiores fraudadores da história” da Previdência

Compartilhe esta notícia:

A PF cumpriu 85 mandados. (Foto: Agência Brasil)

A PF (Polícia Federal) e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia deflagraram nesta quarta-feira (09) a Operação Caduceu, para desarticular um grupo que fraudou pelo menos 140 benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) causando prejuízo estimado superior a R$ 7 milhões.

Segundo a PF, o grupo era liderado por “um dos maiores fraudadores da história do INSS”, na área de benefícios. Ele já responde a diversos processos penais e dezenas de inquéritos policiais por fraudes à autarquia, destacou a PF.

A corporação tem registros da “conduta criminosa” do estelionatário desde a década de 1980. O grupo agia nos Estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco. Agentes federais cumprem três mandados de prisão preventiva e realizam buscas e apreensão em 12 endereços de Salvador e Camaçari (BA) e em Aracaju (SE).

A investigação aponta que o grupo praticava as fraudes de duas maneiras: criando vínculos empregatícios fictícios, inseridos no CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) por meio de Guia de Recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) indevidas; e usando documentos médicos falsos para simular doenças e assim obter benefícios, em especial o auxílio-doença e a aposentadoria por invalidez.

Segundo a PF, para que tais fraudes fossem praticadas, faziam parte da organização criminosa um técnico em contabilidade, um servidor do INSS e uma pessoa responsável por falsificar laudos e relatórios médicos. O nome da operação faz referência ao contador da operação criminosa, disse a PF. O símbolo da contabilidade é o Caduceu.

A Polícia Federal indicou que os investigados podem responder pelos crimes de participação em organização criminosa, estelionato previdenciário, uso de documento falso, falsidade ideológica e falsificação de documento público. Somadas, as penas ultrapassam 30 anos de prisão, informou a PF.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Confiança do comércio brasileiro tem alta em outubro
Criação de nova sigla é cogitada após divergência de Bolsonaro com líderes do PSL
Deixe seu comentário
Pode te interessar