Terça-feira, 04 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

Brasil A Procuradoria-Geral da República nega que Raquel Dodge esteja sendo pressionada para afastar Deltan Dallagnol da Operação Lava-Jato

Compartilhe esta notícia:

"Eles todos participaram de uma encenação", afirmou Raquel Dodge. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, negou sofrer pressão para afastar o procurador Deltan Dallagnol da coordenação da força-tarefa da Lava-Jato, na esteira do conteúdo das mensagens publicadas pelo site The Intercept Brasil com diálogos dele.

Após requisitar à PF (Polícia Federal) as mensagens hackeadas de autoridades, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) passaram a articular o afastamento de Deltan do comando da Lava-Jato, em Curitiba, e que Raquel Dodge tem sido pressionada a tomar essa medida.

Em nota, a PGR (Procuradoria-Geral da República) negou. “A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, não sofreu qualquer pressão de qualquer tipo para determinar a medida de afastamento referida na matéria, de quem quer que seja”, diz o texto. Ainda segundo a nota, Dodge não convocou reunião de emergência na PGR para discutir o assunto.

“Mais do que isso, [a PGR] esclarece que o princípio constitucional da inamovibilidade é garantia pessoal do procurador Deltan Dallagnol, de não ser afastado dos processos da Lava-Jato, dos quais é o promotor natural, na condição de titular do ofício onde tramitam todos os processos deste caso”, sustentou.

“Em suma, a procuradora-geral da República não convocou, nem fez reunião na quinta-feira [1º], nem em qualquer outra data anterior ou posterior, com o propósito de afastar o procurador Deltan Dallagnol de seu ofício ou da Lava-Jato”, conclui o texto divulgado pela PGR.

Na noite de quinta-feira (1º), o ministro Alexandre de Moraes determinou que as mensagens apreendidas pela PF com os suspeitos de terem hackeado celulares de autoridades, como o ministro da Justiça e Segurança, Sérgio Moro, sejam encaminhadas ao tribunal em 48 horas. Assim, o caso dos hackers deve passar a estar também sob a alçada do Supremo.

A reação do STF se deu no mesmo dia em que mensagens publicadas pelo jornal  Folha de S.Paulo, em parceria com o Intercept, revelaram que, em 2016, Deltan incentivou colegas a investigar o ministro Dias Toffoli, atualmente presidente do Supremo.

Conforme as mensagens noticiadas, Dallagnol buscou informações sobre as finanças pessoais de Toffoli e sua mulher, Roberta Rangel, e evidências que os ligassem a empreiteiras envolvidas com o esquema de corrupção na Petrobras. Ministros da Corte criticaram duramente a atuação de Dallagnol, que, na avaliação deles, passou a usar a operação de combate à corrupção como instrumento de intimidação.

Nesta sexta-feira, a Justiça Federal em Brasília, responsável pela investigação dos hackers, informou que o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal, determinou à PF que atenda o requerimento de Moraes e envie as mensagens apreendidas. O prazo de 48 horas, no entendimento da Justiça, deve se esgotar neste fim de semana.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

EPTC libera Silva Só após bloqueio para demolição do Ginásio da BM
Saiba qual aposentadoria escolher antes da reforma da Previdência
Deixe seu comentário
Pode te interessar