Sábado, 11 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Cloudy

Capa – Caderno 1 A Volkswagen muda estratégia para crescer no Brasil

Compartilhe esta notícia:

Brasil e Argentina podem mudar, no segundo semestre deste ano, as regras do acordo de exportação e importação de veículos. (Foto: Reprodução)

O presidente da Volkswagen na América Latina, o argentino Pablo Di Si, estima que a expansão na oferta de crédito levará a um aumento de vendas de carros no País neste e nos próximos anos. “Os consumidores conseguiram pagar e amortizar as suas dívidas mais rapidamente. Aí, o crédito começou a girar novamente”, disse, após participar de reunião do FMI (Fundo Monetário Internacional).

Brasil e Argentina podem mudar, no segundo semestre deste ano, as regras do acordo de exportação e importação de veículos, que começou em 2015 e expira somente em 2020, afirmou Di Si. As mudanças, se confirmadas, devem ampliar o prazo de vigência e aumentar o flex, nome que o setor dá para a quantidade de dólares que o Brasil pode exportar para a Argentina a cada US$ 1 importado de lá.

A última vez que o acordo foi renovado, em 2016, estabeleceu que o flex seria de 1,5. Isso significa que, para cada US$ 1 importado das fábricas argentinas, as brasileiras podem exportar US$ 1,5. O combinado foi que a relação se manteria até 2019, com uma elevação para 1,7 nos últimos 12 meses de vigência, que se encerrariam em junho de 2020.

Agora, o governo brasileiro quer elevar o flex e ampliar o prazo. Na opinião do presidente da Volkswagen, o novo flex deverá ficar entre 1,5 e 2, com a possibilidade de haver um aumento gradual a cada ano. Di Si afirmou que, se dependesse dele, o flex aumentaria a cada ano até chegar a 2 em 2030.

As discussões entre Brasil e Argentina em torno do acordo ocorrem meses depois de o governo argentino ter começado a cobrar garantias das empresas que não estavam respeitando o flex. Como o mercado brasileiro estava em queda, havia pouca demanda por carros argentinos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

A decisão da Segunda Turma do Supremo de retirar do juiz Sérgio Moro trechos de delações contra Lula poderá ser útil para Michel Temer
Os peritos federais mandaram um recado para Michel Temer: “Não podemos aceitar retrocessos na independência da Polícia Federal”
Deixe seu comentário
Pode te interessar