Sábado, 25 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Adesivos e panfletos foram apreendidos em um ato em defesa da liberdade do ex-presidente Lula

Compartilhe esta notícia:

Os cantores Gilberto Gil e Chico Buarque se apresentaram no evento realizado na Lapa, na região central do Rio. (Foto: Reprodução/Facebook/Mídia Ninja)

Terminou por volta de meia noite e meia deste domingo (29), com shows de Chico Buarque e Gilberto Gil, o ato de defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Operação Lava-Jato. O Festival Lula Livre reuniu militantes desde o início da tarde de sábado (28), com apresentações de diversos artistas, na Lapa, na região central do Rio. Ainda de tarde, um grupo uniformizado com coletes de identificação do TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio) apreendeu material de divulgação de políticos.

A equipe do TRE-RJ recolheu adesivos e panfletos, como mostram imagens divulgadas nas redes sociais. Alguns fiscais ainda filmaram o local em seus celulares e deixaram o local sob protesto do público do evento. Os vídeos mostram a indignação do público com o recolhimento do material de divulgação de políticos. No momento em que a ação ocorreu, os shows ainda não tinham começado e o número de pessoas presentes à Lapa ainda era pequeno.

Em uma das imagens divulgadas no Facebook, um manifestante pede a identificação dos homens uniformizados, mas não recebe uma resposta. Procurada, a assessoria de imprensa do TER-RJ não respondeu para confirmar a ação durante o evento e a justificativa do recolhimento dos adesivos e panfletos.

O show-ato começou às 17 horas, nos Arcos da Lapa, um dos pontos turísticos da cidade. Segundo a organização do evento, 42 músicos e bandas, passaram pelo palco. Além de Chico e Gil, a cantora Beth Carvalho se apresentou. Sozinho ao violão, Chico cantou “Gota d’água”, “As caravanas” (de seu mais recente álbum, lançado ano passado) e “Deus lhe pague”. Ao lado de Gil, Chico interpretou “Cálice”.

Acompanhado de banda, Gil, que foi ministro da Cultura de Lula, tocou “Maracatu atômico”, de Nelson Jacobina e Jorge Mautner, e “Andar com fé”. Juntos, Gil e Chico ainda interpretariam “Aquele abraço”, do compositor baiano. No encerramento, ao lado de Beth Carvalho, os dois ainda cantaram o samba “Deixa a vida me levar”, de Serginho Meriti e Eri do Cais, famoso na voz de Zeca Pagodinho, quando o palco foi tomado por vários artistas que se apresentaram ao longo do evento.

Na plateia, estavam presentes a presidente do PT, a senadora Gleise Hoffmann (PR), ao lado do senador fluminense Lindbergh Farias e da pré-candidata ao governo do Rio pelo partido, Marcia Tiburi.

No início da tarde, a atriz Lucélia Santos fez um discurso em defesa da liberação de Lula e também da sua participação nas eleições presidenciais deste ano. Segundo a atriz, o evento é “um gesto de exigência para que se respeite a Justiça, pilar de qualquer sistema minimamente democrático”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Preso em Curitiba, o ex-presidente Lula foi o principal nome da convenção do PT que oficializou a candidatura de Luiz Marinho ao governo de São Paulo
“Bolsonaro, você tem que maneirar”. São frases como essa que o presidenciável Jair Bolsonaro ouve de seus colegas da turma da Academia Militar
Deixe seu comentário
Pode te interessar