Quarta-feira, 01 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Notícias Agricultores e comerciantes pedem a paralisação das obras do pedágio no trecho da BR-101 em Três Cachoeiras

Impasse foi tema de audiência pública com deputados nessa segunda-feira. (Foto: Patricia Meira/Divulgação)

Com mais de 200 pessoas a lotar o salão da Comunidade Caravaggio, no município de Três Cachoeiras, uma audiência pública realizada nessa segunda-feira discutiu o impasse que envolve o fechamento dos acessos à BR-101 com a concessão da rodovia. Os produtores reivindicam a paralisação das obras do pedágio enquanto a situação não estiver resolvida. Também não descartaram a realização de protestos, com o bloqueio da via.

O encontro foi promovido pela Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, com o apoio da Assembleia Legislativa gaúcha. A iniciativa é do deputado federal Heitor Schuch (PSB) e do estadual Elton Weber (PSB). Em destaque, o impacto que a medida trará aos milhares de pequenos comerciantes e agricultores ao longo da estrada, desde Osório até Torres.

A estimativa é de que ao menos 150 tendas e mil pequenas propriedades rurais serão afetadas, muitas sendo obrigadas a fechar suas portas e cancelar a comercialização de produtos que sustentam a economia local. Estiveram presentes a empresa CCR Sul, vencedora da licitação, prefeitos, vereadores e Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de toda a região.

“Jogo de empurra”

Os parlamentares criticaram a ausência de representantes do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) na audiência. E garantiram que o assunto será levado formalmente ao MPF (Ministério Público Federal), também foi convidado mas que não enviou representantes.

“O diálogo se esgotou, virou um jogo de empurra-empurra entre concessionária, Dnit e ANTT”, criticou Heitor Schuch. “A CCR diz que está cumprindo o contrato, que prevê a regularização dos acessos laterais, que existem ali há muitos anos e jamais foram cobrados anteriormente pelo Dnit. Precisamos do poder público para mediar esse conflito.”

Elton Weber, por sua vez, questionou o valor das audiências públicas realizadas antes da privatização, já que 90% das manifestações foram contrárias ao modelo de concessão efetivado. Dentre os descontentamentos da comunidade estão o preço da tarifa a ser cobrado nos pedágios, muito superior aos de Santa Catarina, o longo prazo de concessão de 30 anos e o número de novas praças de pedágio (cinco).

Weber também lembrou que já tem pedido de audiência pública aprovado na Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa para discutir o impasse: “O Dnit está devendo muitas explicações, entre as quais o motivo pelo qual a regulamentação dos acessos não foi incluída no edital de concessão da rodovia”.

A representante da Fetag (Federação dos Trabalhadores na Agricultura) no Estado, Diana Hann, destacou que a entidade não é contra o desenvolvimento e melhoria na estrada, mas não aceita que os agricultores paguem essa conta. Já o presidente da Câmara dos Vereadores de Três Cachoeiras, Marcelo Paulat, manifestou ainda preocupação com os custos: “Os comerciantes e os produtores não têm condições sequer de bancar uma caçamba de cascalho, como querem que paguem do próprio bolso uma obra de R$ 500 mil?”.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

O Twitter suspende 986 contas de autoridades chinesas contra protestos em Hong Kong
Recusa ao teste do bafômetro não pode ser utilizada para aplicação de multa ao motorista
Deixe seu comentário
Pode te interessar