Sábado, 19 de Junho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Mostly Cloudy

Brasil Após a alta nos juros, veja como fica o rendimento do dinheiro depositado na poupança

Compartilhe esta notícia:

Aplicação passará a render um pouco mais, entretanto continuará perdendo para a inflação. (Foto: EBC)

Nesta semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou a Selic de 2,75% para 3,50% ao ano, confirmando as expectativas do mercado.

Com a nova taxa de juros, a rentabilidade da caderneta de poupança passará a ser de 0,2% ao mês e 2,45% ao ano, segundo cálculos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac). Antes, o rendimento estava em 0,16% ao mês e de 1,93% ao ano.

Pela regra em vigor desde 2012, quando a Selic está abaixo de 8,5% a correção anual da caderneta de poupança é limitada a um percentual equivalente a 70% dos juros básicos mais a Taxa Referencial (TR, que está em zero desde 2017).

Para fins de simulação, veja como fica um rendimento de R$ 10 mil na poupança num prazo de 12 meses, segundo a Anefac:

– Antes: rendimento era de R$ 193 (R$ 10.193 ou 1,93% ao ano)
– Agora: rendimento será de R$ 245 (R$ 10.245 ou 2,45% ao ano)

Vale destacar, porém, que os depósitos feitos até abril de 2012, na chamada “poupança velha”, continuam rendendo 0,50% ao mês e 6,17% ao ano (ou R$ 617 para cada R$ 10 mil aplicados).

Poupança x inflação

Em março, os saques das cadernetas de poupança superaram os depósitos em R$ 3,524 bilhões, segundo o o Banco Central. No primeiro trimestre, a saída líquida de recursos desta modalidade de aplicação financeira somou R$ 27,541 bilhões – um novo recorde histórico.

Desde o ano passado, a poupança vem perdendo rentabilidade. Em março, o retorno em 12 meses, descontada a inflação medida pelo IPCA, foi de -4,16%, segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica. Março foi o sétimo mês consecutivo no vermelho da poupança.

Em abril, a prévia da inflação oficial (IPCA-15) acumulou alta de 6,17% em 12 meses. Os economistas do mercado financeiro estimam atualmente uma taxa de 5,04% para o IPCA em 2021. Já a previsão para a Selic no fim de 2021é de 5,50%, o que embute novas altas na taxa de juros neste ano.

Comparativo de investimentos

Embora a poupança venha perdendo para a inflação há meses, ela ainda segue mais vantajosa do que os fundos de renda fixa, segundo levantamento da Anefac, “principalmente sobre os fundos cujas taxas de administração sejam superiores a 1% ao ano”.

Vale lembrar que os rendimentos da caderneta de poupança são isentos do pagamento de imposto de renda e de taxas de administração. Numa aplicação no CDB, por exemplo, o investidor precisaria obter uma taxa de juros de pelo menos cerca de 85% do CDI para atingir rentabilidade líquida equivalente à oferecida pela poupança, destaca a Anefac.

Na parcial do ano até abril, a rentabilidade da poupança também superou a do Ibovespa e do ouro. Veja abaixo o ranking de rentabilidade nominal (sem considerar a inflação e imposto de renda) dos principais investimentos em 2021, segundo levantamento do administrador de investimentos Fabio Colombo.

– IGPM: 9,89%;
– Dolar: 4,7%;
– Títulos atrelados ao IPCA: 2,85% (indicativo) ;
– Euro: 2,41%;
– IPCA: 2,35% (estimativa);
– Fundos DI: 0,70% (média);
– Fundos de Renda Fixa: 0,7% (média);
– CDB: 0,66% (média);
– Poupança: 0,51% (estimativa);
– Ibovespa: 0,1%;
– Ouro: 3,32%.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Cesta básica ficou mais cara em 15 capitais brasileiras no mês de abril
Número de mortos na favela do Jacarezinho sobe para 28
Deixe seu comentário
Pode te interessar