Sexta-feira, 29 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Capa – Caderno 1 Após quase dois meses de greve, servidores do Judiciário gaúcho retornam ao trabalho nesta segunda-feira

Compartilhe esta notícia:

Fim da paralisação foi decidido em assembleia-geral da categoria, após atendimento das exigêncas. (Foto: Divulgação/Sindijus-RS)

O desembargador Carlos Eduardo Zietlow Duro, presidente do TJ-RS (Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul), recebeu do Sindijus (Sindicato dos Servidores da Justiça) um ofício informando que uma assembleia-geral decidiu pelo fim da greve da categoria no Estado, iniciada em 24 de setembro. Os funcionários devem retomar normalmente as atividades nesta segunda-feira.

A compensação dos dias em que os funcionários cruzaram os braços será definida pelas comarcas locais, sem prazo final pré-estabelecido e de forma negociada com os próprios trabalhadores. Já os salários que haviam sido descontados serão depositados por meio de folha suplementar, no dia 10 de dezembro, para quem realizar a compensação.

Ao todo, foram 52 dias de paralisação, encerrada após negociação que garantiu o atendimento às reivindicações apresentadas pelo movimento. Confira, a seguir, outros itens da pauta de reivindicações que receberam o sinal verde do comando do órgão, a fim de encerrar a greve:

– Formação de um grupo de trabalho para discutir a valorização das carreiras dos servidores do Judiciário gaúcho;

– Realização, ainda neste ano, de uma votação sobre o pedido de equiparação do auxílio-refeição em Órgão Especial;

– Maior agilidade na análise das solicitações de reajuste do valor do auxílio-condução para oficiais de Justiça;

Outro ponto ressaltado por ambas as partes é a rejeição, por 44 votos a dois, do projeto de lei que previa a extinção do cargo de oficial escrevente no quadro funcional do TJ-RS, com respectiva substituição pelo cargo de técnico judiciário.

Dados do Sinidjus apontam que mais de 3,5 mil funcionários exercem hoje a função e corriam o risco de entrar em uma espécie de “limbo profissional” caso o plano fosse levado adiante.

“Vitória”

Para o Sindicato dos Servidores da Justiça, o desfecho da mobilização foi “uma vitória da categoria”. O diretor de política da entidade, Marco Velleda, falou em “sucesso”, “resultado direto da luta dos servidores” e “maior greve da história do Judiciário gaúcho”.

“O movimento ganhou destaque no Rio Grande do Sul e também repercutiu em todo o Brasil, com o apoio de entidades parceiras que apoiaram a nossa batalha”, frisou. “A categoria está de parabéns pela garra e pela persistência nesses 52 dias.”

A decisão pelo fim da greve, no entanto, não encerra a mobilização da categoria, conforme alertaram os dirigentes das entidades. Representantes do movimento salientam que a categoria deve permanecer mobilizada e fiscalizar de perto o cumprimento dos compromissos firmados pela cúpula do TJ-RS.

“Caso esses compromissos não sejam atendidos, a categoria deve estar preparada para realizar o enfrentamento”, advertiu o coordenador-geral do Sindicato, Fabiano Zalazar: “Já mostramos ao Tribunal e à sociedade gaúcha a capacidade de mobilização de nossa categoria e a força da nossa união.

“No próximo ano, teremos uma nova Administração que terá de dar continuidade ao compromisso firmado com os trabalhadores; ficaremos vigilantes e acompanharemos de perto todos os pontos da nossa negociação”, finaliza.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

O WhatsApp terá modo escuro e vai mudar a função de bloquear
Tiroteio em Santa Maria deixa três mortos
Deixe seu comentário
Pode te interessar