Segunda-feira, 10 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

Notícias A concessão de mais um trecho da Orla do Guaíba foi tema de audiência pública em Porto Alegre

Compartilhe esta notícia:

Projeto contempla área do Anfiteatro Por-do-Sol ao estádio Beira-Rio. (Foto: Divulgação/PMPA)

Nessa terça-feira, uma audiência pública na prefeitura de Porto Alegre esclareceu questões que envolvem o edital de concessão do chamado “Trecho 2″ da Orla do Guaíba. “O projeto é o primeiro passo para a valorização desse espaço público da cidade, oferta de melhores condições de lazer e serviços públicos à população”, ressaltou o secretário municipal de Parcerias Estratégicas, Thiago Ribeiro.

“Os maiores valores previstos no contrato são justamente os referentes à operação, manutenção, conservação e preservação do parque, principal ponto do projeto”, acrescentou. Com relação às questões levantadas sobre atividades náuticas, ele esclareceu que serão instalados alguns trapiches e rampas de acesso, como primeiro passo para a construção de uma marina pública.

Já o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Germano Bremm, enfatizou a importância de parceria para a consolidação da iniciativa: “Nós, que discutimos o plano diretor na Secretaria, ficamos muito contentes quando conseguimos enxergar projetos em que não há necessariamente aporte de recurso público e a iniciativa privada pode investir e fazer entregas para a cidade”.

Detalhes

O edital para contratação da empresa que vai executar a obra deve ser publicado no mês que vem, prevendo a concessão de uma área de 134,4 mil metros quadrados e 850 metros de extensão, mais faixa de água, entre a Rótula das Cuias e o Arroio Dilúvio, com investimento estimado em R$ 70,5 milhões. A escolha terá como critério a maior oferta de outorga fixa.

Caberá à concessionária vencedora da licitação construir a infraestrutura do trecho, fazer a manutenção preventiva e corretiva das edificações e equipamentos, além de se encarregar da limpeza e segurança no local. O permissionário deverá também zelar pela flora e a fauna do parque e monitorar suas condições.

Não poderá ser cobrado ingresso para acesso ao parque, mas apenas para uso de equipamentos, como roda-gigante (o plano prevê uma das maiores da modalidade no País) e outros que forem instalados no local. Banheiros e bebedouros deverão estar disponíveis gratuitamente.

A representante do Unops (Escritório das Nações Unidas e Serviços para Projetos), Lívia Alen, declarou que a instituição se orgulha por fazer parte do projeto: “O contrato garantirá um parque inclusivo e que respeitará o meio ambiente. Todas as intervenções priorizarão o conceito da sustentabilidade, considerando eficiência e economia de recursos e atentando para o mínimo impacto ao meio ambiente e à paisagem”.

A Unops é apoiadora da elaboração do projeto de concessão e do edital, junto com o Instituto Semeia. Também participaram do encontro o gerente do projeto, Rodrigo Góes, o especialista em parcerias e parques do Instituto Semeia, Rafael Pinheiro, e a vereadora Lourdes Sprenger, representando a Câmara Municipal de Porto Alegre, dentre outros.

(Marcello Campos)

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Novo boletim médico informa que Bolsonaro apresenta melhora, mas não tem previsão de alta
Mais de 860 ambulâncias novas vão reforçar Samu
Deixe seu comentário
Pode te interessar