Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Fair

Capa – Caderno 1 Considerando o dinheiro que entra e o dinheiro que sai do nosso País, o Brasil registrou em maio o seu maior superávit mensal em mais de duas décadas

O dólar comercial teve alta de 0,38%, para R$ 3,126, mas caiu 0,3% na semana. O dólar à vista subiu 0,08%, para R$ 3,120. Na semana, houve queda de 0,8%.(Foto: Agência Brasil)

A conta corrente do balanço de pagamentos registrou em maio o seu maior superávit mensal em mais de duas décadas, mas o fluxo cambial financeiro voltou a mostrar saídas expressivas, segundo dados do BC (Banco Central). O saldo em transações correntes foi de 2,9 bilhões de dólares, no terceiro mês seguido de resultado positivo. Esse também foi o melhor resultado para meses de maio desde o início da série histórica do Banco Central, em 1995. Deste modo, o desempenho do mês foi o melhor em 23 anos.

A conta de transações correntes é formada pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior). O bom resultado das contas externas em maio está relacionado, novamente, com o saldo positivo da balança comercial brasileira que, em maio passado, apresentou o melhor resultado da série histórica do Ministério da Indústria para o mês.

No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, porém, as contas externas registraram deficit de 616 milhões de dólares. Apesar do resultado negativo, ele foi bem menor que o registrado no mesmo período do ano passado, quando totalizou 5,99 bilhões de dólares. O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Fernando Rocha, disse que o déficit em transações correntes, no acumulado deste ano, é o melhor resultado para este período desde 2007.

Para todo o ano de 2017, o Banco Central revisou para 24 bilhões de dólares sua projeção para o déficit em transações correntes, que antes estava em 30 bilhões de dólares. No ano passado, o rombo das contas externas somou 23,5 bilhões de dólares, melhor resultado para um ano fechado desde 2007.

Investimento

O Banco Central também informou nesta terça-feira que os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira atingiram 2,92 bilhões de dólares em maio, com queda frente ao mesmo mês do ano passado, quando os investimentos totalizaram 6,14 bilhões de dólares.

No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, porém, houve crescimento dos investimentos estrangeiros: 32,45 bilhões de dólares, contra 29,91 bilhões de dólares no mesmo período do ano passado. Esse resultado foi influenciado pelo aporte recorde de investimentos estrangeiros em janeiro.

Para 2017, o Banco Central manteve em 75 bilhões de dólares sua estimativa para os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira. Deste modo, os investimentos continuariam suficientes para “financiar” em sua totalidade o déficit das contas externas do período – cuja estimativa do BC é de 24 bilhões de dólares neste ano.

Viagens

O bom desempenho da balança comercial compensou o rombo nas transações de serviços do Brasil com outros países, que foi de 2,4 bilhões dólares em maio. Esse déficit em serviços foi determinado, entre outros fatores, pelos gastos dos brasileiros com viagens ao exterior, que totalizou 1,5 bilhão de dólares, pouco acima do 1,1 bilhão de reais registrado no mesmo mês do ano passado.

As despesas de estrangeiros com viagens ao Brasil somaram 419 milhões de dólares, o que fez com que o deficit em viagens fosse de cerca de 1 bilhão de dólares. O déficit de aluguel de equipamentos também foi grande, de 1,3 bilhão de dólares no mês passado – o resultado negativo foi quase todo determinado pelos gastos do Brasil com equipamentos alugados do exterior.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

Um dos donos da JBS/Friboi, Joesley Batista disse à Procuradoria-Geral da República que avisou Lula e Dilma sobre contas com 300 milhões de reais para o PT no exterior
O Ministério Público Federal quer ouvir Lula, Dilma e Guido Mantega sobre as contas no exterior de Joesley Batista, um dos donos da JBS/Friboi
Deixe seu comentário
Pode te interessar