Quinta-feira, 05 de agosto de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Economia Banco Central sobe para 5,8% a estimativa de inflação em 2021 e vê 74% de chance de estouro da meta

Compartilhe esta notícia:

Informações constam no relatório de inflação do segundo trimestre deste ano

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Expectativa para o IPCA deste ano subiu de 6,07% para 6,11%, segundo o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central. (Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O BC (Banco Central) informou nesta quarta-feira (24) que subiu de 5% para 5,8% sua estimativa de inflação para o ano de 2021, com base no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo).

A expectativa, que consta no relatório de inflação do segundo trimestre deste ano, considera a trajetória estimada pelo mercado financeiro para a taxa de juros e de câmbio neste ano e no próximo.

O centro da meta de inflação, em 2021, é de 3,75%. Pelo sistema vigente no país, será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25%. Com isso, a projeção do BC está bem acima do teto do sistema de metas.

A meta de inflação é fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia. O Banco Central informou, ainda, que a probabilidade de a inflação superar o teto da meta de 5,25% para este ano passou de 41%, em março de 2021, para 74% no documento divulgado nesta quarta-feira. Se a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões.

Razões para o aumento

De acordo com o BC, a inflação recente tem sido “particularmente afetada” pelo “significativo aumento” dos preços de “commodities” (produtos básicos com cotação internacional, como alimentos, minério de ferro e petróleo), contrabalançado parcialmente pela apreciação cambial (queda do dólar) verificada desde abril.

Além disso, a instituição avaliou que a “persistência do cenário de restrições de oferta” de alguns materiais e insumos, e a “deterioração do cenário hídrico”, que tem rápida repercussão sobre o preço da energia elétrica mediante o acionamento de bandeiras tarifárias, também tem pressionado a inflação nos últimos meses.

“Esses fatores mais do que compensaram os efeitos desinflacionários do recrudescimento da pandemia sobre os preços de serviços e da recente apreciação do real”, avaliou o Banco Central.

Próximos anos

Para 2022 e 2023, no cenário de mercado (Selic e câmbio projetados pelos bancos), o Banco Central projetou uma inflação de, respectivamente, 3,5% e de 3,3%. Em março, a instituição estimava que o IPCA ficaria em 3,5% em ambos os anos.

No ano que vem, a meta central de inflação para o ano que vem é de 3,5% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2% a 5%. Em 2023, o objetivo central é de 3,25%, com um piso de 1,75% e um teto de 4,75% por conta do intervalo de tolerância existente.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Pelo menos 60 mil famílias do Rio Grande do Sul serão beneficiadas com a distribuição de cestas básicas
Guarda Municipal interdita casa noturna no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar