Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Mundo Bento 16 pede que seu nome seja retirado de livro que critica fim de celibato de padres

Presença do papa emérito como coautor de obra causou polêmica na Igreja Católica. Na foto, Papa Francisco (E) e o papa emérito Bento 16

Foto: Reprodução
Presença do papa emérito como coautor de obra causou polêmica na Igreja Católica. Na foto, Papa Francisco (E) e o papa emérito Bento 16 (Foto: Reprodução)

O papa emérito Bento 16 pediu que seu nome seja retirado como coautor de um livro que defende a manutenção do celibato dos padres na Igreja Católica.

A divulgação de trechos de “From the Depths of Our Hearts” (do fundo dos nossos corações) pelo jornal francês Le Figaro no domingo (12) foi interpretada como uma tentativa de pressão sobre o atual pontífice, Francisco.

Isso porque o argentino deve decidir em breve se aceita uma recomendação feita no documento final do sínodo da Amazônia que propôs que homens casados que morem em áreas remotas possam ser ordenados como padres, no que seria um marco de mudança na igreja. A ala mais conservadora da igreja é contra a medida.

Nesta terça-feira (14), o secretário pessoal do papa emérito, o arcebispo Georg Ganswein, disse que pediu para o autor principal da obra, o cardeal conservador Robert Sarah, retirar o nome de Bento do livro.

O pedido foi feito pouco depois de Sarah ter respondido a acusações de que teria enganado o antigo pontífice e usado o nome do alemão sem autorização. “Eu afirmo solenemente que Bento 16 sabia que nosso projeto ia virar um livro. Posso dizer que trocamos várias mensagens para estabelecer as correções”, escreveu o cardeal guineano em uma rede social.

Ele disse ainda que por causa da polêmica, o nome do papa emérito vai aparecer apenas como colaborador nas próximas edições e do livro, e não como coautor.

Quando Bento se tornou o primeiro papa a renunciar em 700 anos, ele anunciou que ficaria “escondido do mundo”. Mas, aos 92 anos e com saúde frágil, ele tem dado entrevistas, escrito artigos e contribuído com livros, numa quebra da promessa que tem animado os conservadores da Igreja, alguns dos quais não reconhecem a legitimidade de Francisco.

Em sua parte do livro, Bento diz que o celibato, que se tornou uma tradição da Igreja há cerca de mil anos, tem “grande significado” porque permite aos padres se concentrarem em sua vocação. Ele diz que “não parece possível realizar ambas as vocações [sacerdócio e casamento] simultaneamente”.

Na introdução, os dois autores (Bento e Sarah) dizem que não poderiam ficar em silêncio sobre o sínodo de outubro, que levou a conflitos entre veículos católicos de mídia progressistas e conservadores, sublinhando a polarização na comunidade mundial de 1,3 bilhão de pessoas que seguem a religião.

A proposta afirma que homens mais velhos casados, que já sejam diáconos da Igreja, tenham uma relação familiar estável e sejam líderes comunitários possam ser ordenados padres depois de uma formação adequada. Isso solucionaria a escassez de padres em áreas isoladas e ampliaria a quantidade de missas e sacramentos, por isso a proposta é apoiada por muitos bispos sul-americanos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Governo aumenta para 2,4% a previsão de alta do PIB brasileiro neste ano
Estado supera meta e regulariza 1,5 mil imóveis da extinta Cohab
Deixe seu comentário
Pode te interessar