Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Brasil tem 12 semanas seguidas com queda de mortes por Covid, diz boletim da Fiocruz

Compartilhe esta notícia:

Os óbitos tiveram uma redução de 3,8% ao dia.

Foto: Reprodução
Entre as pessoas infectadas no RS, 1.388.975 (97% dos casos) já se recuperaram da doença. (Foto: Reprodução)

As mortes por Covid-19 completaram 12 semanas seguidas de queda em todo o Brasil, aponta o boletim do Observatório Covid-19 da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) divulgado nesta sexta-feira (17). Segundo o grupo, os óbitos tiveram uma redução de 3,8% ao dia, enquanto o número de casos também continua com queda, embora com algumas oscilações ao longo dos últimos três meses.

“Foi registrada uma média de 15,9 mil casos e 460 óbitos diários na SE [semana epidemiológica] de 5 a 11 de setembro. Níveis ainda considerados altos e que geram preocupação diante da manutenção da positividade dos testes”, observam os pesquisadores.

O Rio de Janeiro é a única capital com taxa de ocupação de leitos destinados a pacientes com Covid-19 acima de 80%. O levantamento indica 82% de lotação. Outras duas capitais estão em nível de alerta intermediário: Boa Vista (76%) e Curitiba (64%).

Idosos

A Fiocruz chama atenção para um cenário que não era observado desde o início da campanha de vacinação. “Esta é a primeira vez em que a mediana dos três indicadores – internações gerais, internações em UTI e óbitos – estão novamente acima dos 60 anos. Isto significa que mais da metade de casos graves e fatais ocorrem entre idosos. No total, 54,4% das internações e 74,2% dos óbitos ocorrem entre idosos.”

Os pesquisadores sustentam que “uma vez beneficiada de forma mais homogênea com a vacinação, a população tende a ter relativamente mais casos graves e fatais entre idosos, concentrando-os novamente nas idades mais avançadas.”

Cabe destacar que o Ministério da Saúde lançou na quarta-feira (15) a campanha para aplicação da dose de reforço em brasileiros acima de 70 anos que tomaram a segunda dose há mais de seis meses. A recomendação é que este grupo receba a vacina da Pfizer/BioNTech.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Mais da metade da inflação é resultado da disparada dos combustíveis, energia e carne, aponta levantamento
Transporte coletivo de Porto Alegre terá ampliações no itinerário a partir desta terça-feira
Deixe seu comentário
Pode te interessar