Segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Brasil tem mais de 36% da população imunizada contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

No Brasil, foram 218.397.247 doses aplicadas desde o começo da vacinação, em janeiro. (Foto: Cristine Rochol/PMPA)

A população brasileira que está totalmente imunizada contra a covid, ou seja, que completou o esquema vacinal ao tomar a segunda dose ou a dose única de vacinas, passa de 36%. São 77.790.266 brasileiros, o que corresponde a 36,47% da população.

Os que tomaram a primeira dose de vacinas e estão parcialmente imunizados são 140.373.340, o que corresponde a 65,80% da população. O reforço foi aplicado em 233.641 pessoas (0,11% da população).

Os dados são do consórcio de veículos de imprensa e foram divulgados às 20h desta quinta-feira (16).

No Brasil, foram 218.397.247 doses aplicadas desde o começo da vacinação, em janeiro.

Nas últimas 24 horas, a primeira dose foi aplicada em 486.219 pessoas, a segunda em 1.024.765, a dose única 5.348, e a dose de reforço em 36.669, um total de 1.553.001 doses aplicadas.

Os Estados com maior porcentagem da população imunizada (com segunda dose ou dose única) são o Mato Grosso do Sul (50,96%), São Paulo (48,25%), Rio Grande do Sul (42,66%), Espírito Santo (39,14%) e Paraná (36,75%).

Já entre aqueles que mais tem sua população parcialmente imunizada estão São Paulo (77,43%), Rio Grande do Sul (68,67%), Santa Catarina (67,80%), Distrito Federal (67,61%) e Paraná (66,75%).

Adolescentes

O Ministério da Saúde publicou uma nota informativa em que volta atrás sobre a vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades. Agora, a orientação do ministério é que não seja feita a vacinação deste grupo.

A vacinação deve ficar restrita a três perfis específicos:

— adolescentes com deficiência permanente,

— adolescentes com comorbidades,

— e adolescentes que estejam privados de liberdade.

A nota informativa desta quarta contraria uma outra publicada pela pasta em 2 de setembro, que recomendava a vacinação para esses adolescentes a partir do dia 15.

O próprio Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que participa das decisões sobre os rumos do Plano Nacional de Imunizações, divulgou nota afirmando que a “vacinação de todos os adolescentes é segura e será necessária”.

Nesta quinta, o Conass e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) solicitaram posicionamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a aplicação da vacina em adolescentes de 12 a 17 anos.

O pedido dos conselhos foi feito com base na nova orientação do Ministério da Saúde e também num “possível evento adverso grave relacionado à vacina Pfizer em adolescente do estado de São Paulo”. O ofício não explica que evento adverso é este.

A decisão do Ministério da Saúde foi tomada dentro de um contexto de aumento dos relatos de falta de vacinas no País, sobretudo para a segunda dose.

Além disso, o recuo é o segundo na semana: na quarta-feira, após o ministro Marcelo Queiroga dizer que há “excesso de vacinas”, o governo voltou atrás e manteve o intervalo de 12 semanas para a segunda dose da vacina AstraZeneca. A previsão era reduzir para 8 semanas neste mês.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Número de afastamentos do trabalho por coronavírus no Brasil dobrou neste ano
Média móvel de mortes por Covid no Brasil fica acima de 500 pelo terceiro dia seguido
Deixe seu comentário
Pode te interessar