Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Mostly Cloudy

Bem-Estar A corrida e a natação deixam o coração humano maior

Compartilhe esta notícia:

Cardiologistas e cientistas já sabem que a prática regular de atividades físicas altera a aparência e o funcionamento do coração humano. (Foto: Jonne Roriz/Exemplus/COB)

Os corações dos nadadores que participam de competições mundiais funcionam de maneira diferente dos corações dos corredores de elite? Um novo estudo descobriu que a resposta pode ser sim, e as diferenças, embora leves, podem ser reveladoras, mesmo para aqueles que nadam ou correm em um nível muito menos elevado.

Cardiologistas e cientistas do exercício já sabem que a prática regular de atividades físicas altera a aparência e o funcionamento do coração humano. O ventrículo esquerdo, em particular, altera-se com o exercício. Esta câmara do coração recebe sangue rico em oxigênio dos pulmões e o bombeia para o resto do corpo, usando um movimento vigoroso de torcer e desenrolar, como se o ventrículo fosse uma esponja espremida antes de voltar à forma.

O exercício, especialmente o aeróbico, requer que uma quantidade considerável de oxigênio seja fornecido aos músculos em atividade, exigindo muito do ventrículo esquerdo. Em resposta, esta parte do coração em atletas tipicamente se torna maior e mais forte do que em pessoas sedentárias. Além disso, esta parte também funciona com mais eficiência, ficando preenchida de sangue mais rápido e sem torção a cada batimento cardíaco, que fica mais acelerado, permitindo que o coração bombeie sangue mais rapidamente.

Enquanto quase todos os exercícios podem levar à remodelação do ventrículo esquerdo ao longo do tempo, os diferentes tipos de exercício frequentemente produzem efeitos sutilmente diferentes. Um estudo de 2015 descobriu, por exemplo, que os remadores competitivos, cujo esporte combina resistência e potência, tinham maior massa muscular nos ventrículos esquerdos do que corredores, tornando seus corações fortes, mas potencialmente menos ágeis durante a torção que bombeia sangue para os músculos.

Esses estudos anteriores compararam os efeitos cardíacos das atividades terrestres, com ênfase na corrida. Poucos examinaram a natação, apesar de não ser apenas um exercício popular, mas único. Os nadadores, ao contrário dos corredores, boiam na água e prendem a respiração, atividades que interferem nas demandas cardíacas e em como o coração responde.

Assim, para o novo estudo, publicado na revista Frontiers in Physiology, pesquisadores da Universidade de Guelph, no Canadá, e outras instituições se propuseram a mapear a estrutura e a função dos corações de nadadores e corredores de elite. Os pesquisadores se concentraram em atletas de classe mundial porque esses teriam corrido ou nadado vigorosamente durante anos, presumivelmente exagerando quaisquer efeitos diferenciais de seu treinamento.

Foram recrutados 16 corredores da equipe nacional e outros 16 nadadores comparáveis, homens e mulheres, alguns deles velocistas e outros especialistas em distância. Eles pediram aos atletas que visitassem o laboratório de exercícios depois de não se exercitarem por 12 horas e, em seguida, quando no local, ficassem em silêncio. Eles checaram as frequências cardíacas e as pressões sanguíneas e finalmente examinaram os corações dos atletas com ecocardiogramas, que mostram tanto a estrutura quanto o funcionamento do órgão.

Foi descoberto que os atletas, sejam corredores ou nadadores, gozavam de uma invejável saúde cardíaca, mas isso não era novidade para ninguém. Seus batimentos cardíacos oscilavam em torno de 50 batimentos por minuto, com as taxas dos corredores ligeiramente abaixo das dos nadadores. Mas todos os batimentos cardíacos dos atletas eram muito mais baixos do que os típicos para pessoas sedentárias, significando que seus corações eram robustos. Os atletas também tinham ventrículos esquerdos relativamente grandes e eficientes, mostraram os ecocardiogramas.

Mas os pesquisadores descobriram que havia pequenas diferenças entre nadadores e corredores. Enquanto todos os ventrículos esquerdos dos atletas estavam cheios de sangue antes da média e se desenrolavam mais rapidamente durante cada batimento cardíaco, essas mudanças desejáveis ​​foram amplificadas nos corredores. Seus ventrículos se encheram ainda mais cedo e se destronaram mais enfaticamente do que os corações dos nadadores.

Em teoria, essas diferenças devem permitir que o sangue se mova de volta para os corações dos corredores mais rapidamente do que o que aconteceria dentro dos nadadores. Mas essas diferenças não mostram necessariamente que os corações dos corredores funcionaram melhor do que os nadadores, diz Jamie Burr, professor da Universidade de Guelph e diretor de seu laboratório de desempenho humano, que conduziu o novo estudo com a principal autora, Katharine Currie, e outros.

Print Friendly, PDF & Email

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

Saiba por que uma sonda japonesa teria detonado explosivos em um asteroide
Os “coletes amarelos” voltaram às ruas na França pelo 21° sábado consecutivo
Deixe seu comentário
Pode te interessar