Segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Showers in the Vicinity

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política CPI da Covid ouve suposto lobista que fechou contratos suspeitos com o Ministério da Saúde

Compartilhe esta notícia:

Na CPI, o depoente (D) deve ser questionado pelos senadores sobre suposta atuação na negociação que resultou no contrato bilionário do Ministério da Saúde com a Precisa

Foto: Agência Senado
(Foto: Reprodução de TV)

A CPI da Covid ouve nesta quarta-feira (15) o depoimento do advogado Marconny Albernaz Ribeiro, suposto lobista da Precisa Medicamentos, empresa que, segundo a comissão, fechou contratos suspeitos com o Ministério da Saúde.

O depoimento de Marconny Albernaz estava inicialmente previsto para o último dia 2. Entretanto, o advogado não compareceu à CPI naquela data. Na ocasião, chegou a apresentar um atestado médico para não comparecer.

Posteriormente, o médico responsável pelo documento manifestou à CPI a intenção de cancelar o atestado após ter notado, segundo integrantes da cúpula da comissão, possível simulação por parte do paciente.

Na última segunda-feira (13), a Justiça Federal em Brasília autorizou a condução coercitiva de Albernaz para prestar depoimento, caso, novamente, não compareça à comissão.

Na CPI, o depoente deve ser questionado pelos senadores sobre suposta atuação na negociação que resultou no contrato bilionário do Ministério da Saúde com a Precisa para a venda de vacina indiana contra a Covid-19. O negócio acabou cancelado por suspeita de irregularidade.

Os senadores também querem ouvir de Albernaz respostas sobre a participação dele na venda ao poder público de testes contra a Covid-19. Apurações conduzidas pelo Ministério Público Federal compartilhadas com a CPI apontam que ele teria encaminhado mensagens com explicações sobre processo supostamente irregular para aquisição de testes.

“A CGU [Controladoria-Geral da União] aponta evidências de tentativa de interferência no processo de chamamento público para contratação direta de 12 milhões de testes de Covid-19”, afirma o autor do pedido de convocação, Randolfe Rodrigues, vice-presidente da CPI. Segundo o senador, o objetivo seria beneficiar a Precisa Medicamentos.

Para Randolfe Rodrigues, havia “um mercado interno” no Ministério para “facilitar compras públicas e beneficiar empresas”. Além disso, a CPI quer saber qual a relação do lobista com integrantes da família do presidente Jair Bolsonaro. Documentos obtidos pela comissão mostram que Jair Renan Bolsonaro, um dos filhos do presidente, abriu uma empresa de eventos com ajuda de Marconny Albernaz.

tags: covidCPI

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Em Porto Alegre, primeiro dia de vacinação contra covid para adolescentes saudáveis de 17 anos registrou intensa procura
Senado aprova elegibilidade para políticos com contas irregulares
Deixe seu comentário
Pode te interessar