Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
28°
Fair

Bem-Estar Cuidado com a desidratação em idosos deve ser redobrado no verão

Nos idosos, os sintomas da desidratação podem ser generalizados

Foto: Vítor Figueiró/Divulgação
Nos idosos, os sintomas da desidratação podem ser generalizados. (Foto: Vítor Figueiró/Divulgação)

O período de altas temperaturas e muito sol exige um cuidado maior para evitar os casos de desidratação em qualquer pessoa. Porém, no caso dos idosos, é preciso uma atenção especial pela fragilidade do quadro nutricional e imunológico. Os sinais de desidratação surgem quando o corpo usa ou perde mais líquido do que o ingerido, com baixa concentração de sais minerais e eletrólitos.

A causa mais normal é a pouca ingestão de líquidos, porém o quadro é mais grave quando há um fator associado como exposição ao sol, diarreia ou uso exagerado de diuréticos.

“No idoso, estes sintomas podem ser generalizados, como confusão mental, cansaço, dores, câimbras, tonturas, hiporexia [falta de apetite], prostração, pouco volume urinado e urina mais escura, diminuição do tônus cutâneo e boca seca. No adulto jovem, os sintomas são sede, pouca urina, urina escura, cansaço, dores musculares, cefaleia, tonturas e boca seca”, explica o médico geriatra e presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia/Secção RS, João Senger.

O idoso pode ser considerado desidratado crônico, pois existe uma mudança proporcional na constituição do corpo com o envelhecimento, na qual há uma troca de massa magra (músculos e ossos) por massa gordurosa.

“Como água e gordura não se misturam, existe uma perda de líquidos no corpo com o envelhecimento. Assim, o idoso desidrata muito mais fácil do que o jovem, pois tem menor proporção de líquidos na sua constituição. Para complicar mais um pouco, os idosos apresentam uma atrofia do centro da sede, que leva a terem menos sede e, geralmente, quando a sentem, já existe um grau de desidratação. Assim, precisamos insistir que tomem líquidos mesmo sem sede. Uma estratégia é determinar uma quantidade de líquidos – água, sucos, chimarrão etc. – que deva ser ingerida pela manhã, tarde e noite”, completa.

O médico reforça que o diabetes não causa sede, mas quando está sem controle, com aumento dos níveis de glicose, o paciente fica com mais sede, e pode desidratar mais facilmente, em função da alteração da osmolaridade do sangue pela glicemia elevada. Nesses casos, é fundamental controlar a glicemia e promover a hidratação adequada.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Bem-Estar

FMI reduz expectativa de crescimento da economia global, mas eleva a do Brasil
Novas alíquotas de contribuição previdenciária dos servidores são publicadas no Diário Oficial do Estado
Deixe seu comentário
Pode te interessar