Quinta-feira, 13 de Maio de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
14°
Fair

Notícias O Rio Grande do Sul tem um novo caso suspeito de infecção por coronavírus

Compartilhe esta notícia:

Paciente é uma moradora de Porto Alegre que viajou recentemente à China. (Foto: Reprodução)

A SES (Secretaria Estadual da Saúde) informou nesse fim de semana que mais um caso suspeito de infecção por coronavírus está sendo investigado no do Rio Grande do Sul. Trata-se de uma mulher de 56 anos, moradora de Porto Alegre e que viajou recentemente à China, país no qual uma de suas províncias é considerada o epicentro mundial da doença.

De acordo com as autoridades gaúchas, ela procurou atendimento na Capital, com sintomas de febre e desconforto respiratório. Como o seu quadro foi diagnosticado como leve, recebeu a orientação médica de manter o tratamento em sistema de isolamento domiciliar. As amostras estão sendo analisadas por técnicos do Lacen (Laboratório Central) do Rio Grande do Sul e da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro.

Na sexta-feira, o governo gaúcho descartou oficialmente mais uma suspeita de infecção por coronavírus. O paciente é um bebê de 7 meses que mora com a família na China e passou por Porto Alegre. A criança, cujo diagnóstico mais recente indicou se tratar de uma situação envolvendo VSR (Vírus Sincicial Respiratório, infecção relativamente comum nessa idade), permanece com a família em outra cidade gaúcha, sob recomendação de isolamento, sem sair de casa até que haja melhora nos sintomas.

Com isso, três casos estão sob investigação no Rio Grande do Sul, de acordo com o relatório mais recente divulgado pela SES. Os outros dois são:

– Uma criança de 3 anos que também mora no país asiático e que foi atendida em Morro Reuter (Vale do Sinos). Segundo informações atualizadas pela SES, ela apresentou melhoras e já retornou à Ásia com a família;

– Um idoso de 65 anos, residente de Canoas (Região Metropolitana), que visitou a China com a esposa no mês passado – ela também chegou a constar como caso suspeito de infecção pelo coronavírus.

Até agora, já foram notificados 14 possíveis casos no Estado. Destes, cinco foram excluídos, seis foram descartados (por diagnóstico de influenza/rhinovírus/VSR) e, conforme mencionado, três continuam sob apuração.

Mobilização

Em uma reunião técnica na semana passada, a SMS (Secretaria Municipal de Saúde) de Porto Alegre apresentou o “Plano de Contingência Municipal” para atendimento a pacientes com suspeita de infecção pelo coronavírus em postos e instituições do setor. Coordenado pelo titular da pasta, Pablo Stürmer, o encontro contou com a participação de representantes de hospitais públicos e privados, além de gestores e técnicos do governo do Estado.

Essa iniciativa prevê cinco estágios de resposta, classificados de zero a quatro. No “Nível Zero” (status atual da capital gaúcha), não há casos confirmados, ao passo que o “Nível 1” define a ocorrência de um primeiro caso confirmado em paciente que chegou de viagem. Já o “Nível 2” será aplicado caso seja confirmada transmissão local, enquanto o “Nível 3” se aplica a um contágio sustentado na cidade e o “Nível 4” se caracteriza pelo limite da capacidade instalada.

Em âmbito estadual, na quinta-feira a titular da Secretaria Estadual da Saúde, Arita Bergmann, reuniu-se nesta semana com os representantes das 19 coordenadorias regionais de Saúde. Ela frisou o alerta e a importância de os coordenadores levarem essas informações para as suas regionais e discutirem localmente a questão. Também destacou algumas regiões gaúchas que demandam maior atenção, como os pontos de entrada internacional – Porto Alegre pelo Aeroporto Salgado Filho e Rio Grande pelo porto, bem como as fronteiras gaúchas com Argentina e Uruguai.

Não menos vulneráveis são as áreas do Rio Grande do Sul com características econômicas que favorecem a circulação de visitantes estrangeiros ou de habitantes do Estado que estiveram recentemente no Exterior (incluindo a China). Como exemplos podem ser mencionados o Vale do Sinos (indústria coureiro-calçadista), Candiota (sede de usinas termoelétricas), Vale do Rio Pardo (indústria fumageira) e Ametista do Sul (exploração de pedras preciosas).

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Bolsonaro disse que a sua trajetória no governo é marcada por ataques e perseguições
Bolsonaro vai esperar candidaturas do PT para definir seus aliados
Deixe seu comentário
Pode te interessar