Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Mostly Cloudy / Wind

Brasil Diretor do Butantan diz que a CoronaVac deve estar disponível para vacinação em janeiro de 2021

Compartilhe esta notícia:

Segundo Dimas Covas, vacina contra o coronavírus desenvolvida por laboratório chinês em parceria com Instituto Butantan está "muito próxima de ser registrada" na Anvisa

Foto: Reprodução/Instituto Butantan
Segundo Dimas Covas, vacina contra o coronavírus desenvolvida por laboratório chinês em parceria com Instituto Butantan está "muito próxima de ser registrada" na Anvisa. (Foto: Reprodução/Instituto Butantan)

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse nesta quinta-feira (03) que a CoronaVac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, deve estar disponível para ser aplicada na população em janeiro do próximo ano.

“A vacina estará disponível e o registro na Anvisa, acredito eu, também estará disponível. Então, poderemos iniciar um programa em janeiro, acredito, de vacinação. E espero [que] com o apoio do Ministério [da Saúde], apesar de todas essas declarações que não citam nominalmente a vacina do Butantan. A nossa expectativa é a de que a vacina seja incorporada, inclusive atendendo ao que o próprio ministro fala, sem citar a vacina, de que a vacina que estiver disponível e registrada, será incorporada”, afirmou.

Na terça-feira (1°), o governo federal divulgou a estratégia “preliminar” para a vacinação dos brasileiros. No calendário apresentado, a CoronaVac não é citada pelo Ministério da Saúde.

A vacina está na fase final de testes e já tem previsão de distribuição no Brasil. O governo de São Paulo firmou acordo para a compra de 46 milhões de doses e para a transferência de tecnologia para o Instituto Butantan.

Em outubro, o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, chegou a anunciar em uma reunião virtual com mais de 23 governadores, a compra do imunizante, mas, menos de 24 horas depois, a aquisição foi desautorizada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Dimas Covas também afirmou que a vacina está muito próxima de obter o registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e descartou a necessidade de solicitação para uso emergencial.

Em setembro, Dimas Covas chegou a dizer que pediria a liberação para uso emergencial caso a vacina demonstrasse eficácia de pelo menos 50% em análise preliminar.

“Nós estamos muito próximos de solicitar o registro. Nós não teremos a necessidade de solicitar esse registro emergencial, vamos solicitar já o registro da vacina. Estamos muito próximos de que isso aconteça. O registro e a vacina estando disponíveis, nós temos que iniciar a vacinação. É tudo o que nós queremos”, defendeu Dimas Covas.
Nesta quarta-feira (02), a Anvisa disse que irá aceitar que empresas desenvolvedoras de vacinas contra a Covid-19 solicitem o “uso emergencial” no Brasil e divulgou os requisitos para o pedido.

O “uso emergencial” é diferente do “registro sanitário”, que é a aprovação completa para uso de um imunizante. O registro definitivo depende de mais dados e da conclusão de todas as etapas de teste da vacina.

Ainda de acordo com o diretor do Instituto, o governo de São Paulo trabalha com planos alternativos para vacinar a população, caso a vacina não seja incorporada ao Programa Nacional de Imunização.

“Cada dia sem vacina conta. Se a vacina estiver para uso, nós temos que iniciar a vacinação. E isso, pelo simples motivo: a vacina pode poupar a vida de milhares de pessoas. Não faz nenhum sentido, do ponto de vista da responsabilidade pública, atrasar o uso de uma vacina disponível e pronta, já registrada na Anvisa. Iremos trabalhar junto com os estados, se for o caso, junto com os municípios, para que isso aconteça”, disse o diretor.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Prazo para aditamento do contrato do Fies do segundo semestre de 2020 é adiado
Prefeitura de Porto Alegre divulga pregão para programa de capacitação do consumidor turista
Deixe seu comentário
Pode te interessar