Sábado, 06 de Junho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Mostly Cloudy

Capa – Coluna Direita Entenda os riscos do monóxido de carbono, gás que pode ter provocado a morte de família brasileira que fazia turismo no Chile

Compartilhe esta notícia:

Bombeiros durante atendimento por vazamento de gás em Santiago. (Foto: Reprodução/Twitter)

De acordo com a SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), as moléculas de monóxido de carbono – gás que pode ter provocado a morte de família brasileira que fazia turismo no Chile – se ligam à hemoglobina presente no sangue. Isso dificulta a circulação e distribuição do oxigênio – essencial para vida humana – no corpo. É uma morte por asfixia.

Autoridades do Chile suspeitam que a inalação de monóxido de carbono (CO) causou a morte de seis brasileiros em um apartamento em Santiago, na noite de quarta-feira (22). Os oficiais acreditam que o gás invisível e sem cheiro pode ter vazado de um aparelho doméstico, como um aquecedor.

Os sintomas da asfixia por monóxido de carbono são: dores de cabeça; tontura; fraqueza; dores abdominais e vômitos; dor no peito; confusão mental.

Na maioria das vezes, as vítimas não percebem que estão sob efeito do monóxido de carbono justamente porque o gás não tem cheiro nem cor.

Como evitar acidentes?

Aquecedores a combustível podem vazar monóxido de carbono caso estejam mal posicionados ou sem manutenção. Confinado em um ambiente fechado ou sem janelas, o gás mata em minutos.

Há também outros aparelhos que podem causar mortes pela inalação do CO, como geradores de energia e churrasqueiras.

Veja como prevenir acidentes, de acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês): aquecedores ou qualquer outro aparelho doméstico movido a gás, óleo ou carvão devem passar por vistoria técnica ao menos uma vez por ano; jamais deixe ligado um carro ou outro veículo na garagem, mesmo que haja uma porta aberta; nunca use um fogão para aquecer a casa; mantenha geradores e máquinas de lava a jato a ao menos seis metros de uma janela ou porta; instale detectores em casa, dispositivos geralmente pequenos e que funcionam com pilhas ou baterias; deixe o local imediatamente e procure os serviços de emergência caso sinta tonturas, dores e suspeite de vazamento de monóxido de carbono.

Empresa pede que anfitriões instalem detectores

A Airbnb, empresa de aluguel por temporadas pela qual a família brasileira alugou o apartamento em Santiago, afirma solicitar aos anfitriões que disponibilizem detectores de fumaça e monóxido de carbono dentro dos imóveis. No site oficial, a companhia diz que fornece o aparelho gratuitamente, quando solicitada.

A instalação não é obrigatória – exceto quando a cidade ou o país tem uma lei ou regulamento específico sobre o assunto. Ainda assim, a Airbnb notifica os hóspedes quando estão prestes a alugar um imóvel sem detector de monóxido de carbono.

Sobre o incidente em Santiago, a Airbnb informou que vai arcar com o traslado dos corpos, e que também presta assistência aos responsáveis por oferecer o apartamento – a identidade do locador não foi revelada. As informações são do portal G1.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Coluna Direita

Órgão do Ministério Público afirma que decreto das armas poderá favorecer milícias
Governo quer ser dono de imóveis do Minha Casa, Minha Vida para evitar que sejam comercializados depois
Deixe seu comentário
Pode te interessar