Sexta-feira, 12 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Saúde Estudo aponta que o consumo exagerado de álcool deixa marcas físicas nas células do esôfago e pode levar ao câncer

Compartilhe esta notícia:

No Brasil, o câncer de esôfago é a quinta doença que mais mata homens, sem considerar os tumores de pele não melanoma

Foto: Divulgação
No Brasil, o câncer de esôfago é a quinta doença que mais mata homens, sem considerar os tumores de pele não melanoma. (Foto: Divulgação)

O consumo exagerado de álcool deixa marcas físicas nas células do esôfago, podendo levar ao câncer no órgão, revelou um estudo realizado por pesquisadores do Inca (Instituto Nacional do Câncer). Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o câncer de esôfago é o oitavo tipo mais comum no mundo e o sexto de maior mortalidade.

Durante cinco anos, os pesquisadores coletaram amostras de tecido tumoral e de sangue com o intuito de analisar o genoma de 552 indivíduos com câncer para identificar a chamada “assinatura mutacional” – um padrão específico de mutações no DNA para alguns tipos de câncer.

O objetivo da análise era traçar um perfil dessas mutações e, assim, apontar quais fatores comportamentais ou não levaram ao surgimento do câncer no paciente.

“Um caso conhecido é o de câncer de pulmão, em que essa espécie de marca genética é causada pelo tabaco. O que observamos e ficou comprovado nesta análise é que o álcool deixa um rastro específico nos tumores de esôfago. No entanto, seguiremos realizando outros estudos, com novas amostragens, buscando investigar as marcas dos outros agentes conhecidos”, explica Luis Felipe Ribeiro Pinto, chefe do Programa de Carcinogênese Molecular e coordenador de pesquisa do Inca.

Os resultados da pesquisa, publicados na revista científica Nature Genetics, integram um projeto maior, chamado Mutographs, liderado pela Agência Internacional para Pesquisa em Câncer, da Organização Mundial da Saúde e pelo Instituto Sanger do Reino Unido, que conta com um grupo de cientistas de dez países. O Inca é o representa do Brasil e da América Latina neste grupo.

Para compor o estudo, foram analisados o genoma de pacientes de oito países com incidência variável: Brasil, China, Irã, Japão, Kenya, Malawi, Reino Unido e Tanzânia. Em todos eles, a assinatura mutacional foi semelhante, afirmam os pesquisadores.

“Associações entre assinaturas mutacionais específicas e fatores de risco foram identificadas para tabaco, álcool, ópio (…)”, dizem os autores no estudo. No Brasil, o câncer de esôfago é a quinta doença que mais mata homens, sem considerar os tumores de pele não melanoma. Não à toa, do total de amostras analisadas, 5,4% eram de pacientes do Inca.

Bebidas alcoólicas, assim como o tabagismo e a ingestão de bebidas muito quentes (chimarrão) são fatores que favorecem o aparecimento da doença.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Plenário virtual do Supremo começa a julgar decisão da ministra Rosa Weber sobre “orçamento secreto”
Câmara dos Deputados aprova emendas do Senado à medida provisória que cria programa de crédito
Deixe seu comentário
Pode te interessar