Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Fair

Política Ex-ministro das Cidades e pesquisador da Fiocruz são presos pela Polícia Federal por supostas fraudes na saúde

Compartilhe esta notícia:

Baldy é secretário estadual de Transportes Metropolitanos de São Paulo

Foto: Neto Talmeli/Prefeitura de Uberaba
Baldy é secretário estadual de Transportes Metropolitanos de São Paulo. (Foto: Neto Talmeli/Prefeitura de Uberaba)

A PF (Polícia Federal) prendeu, nesta quinta-feira (06), o secretário estadual de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy, por suspeita de fraudes em contratos da área da saúde nos períodos em que ele foi deputado federal e ministro das Cidades.

Também foram presos o pesquisador da Fiocruz Guilherme Franco Netto e o ex-presidente da Junta Comercial de Goiás Rafael Lousa. A Justiça expediu mais três mandados de prisão, mas os nomes dos alvos não foram divulgados.

As prisões fazem parte da Operação Dardanários, contra desvios na área da saúde envolvendo órgãos federais. A PF afirma que identificou “conluio entre empresários e agentes públicos, que tinham por finalidade contratações dirigidas”.

Baldy, que foi deputado federal por Goiás e ministro das Cidades no governo do ex-presidente Michel Temer, é apontado por atos suspeitos antes de assumir a pasta no governo de São Paulo. Segundo as investigações, Baldy usou da influência dos dois cargos para intermediar contratos, sobre os quais ganharia um percentual.

Entre os contratos investigados, estão o de organizações sociais com o Hospital de Urgência da Região Sudoeste Dr. Albanir Faleiros Machado, em Goiás, com a Junta Comercial Goiana e com a Fundação Nacional de Saúde. Baldy ainda teria oferecido vantagem a um colaborador para não entregar o esquema, conforme a PF.

A assessoria de Baldy negou que ele tenha participado das irregularidades e afirmou que a prisão foi “desnecessária”. A Secretaria de Transportes Metropolitanos divulgou nota ressaltando que “a operação não tem relação com a atual gestão do Governo de São Paulo”.

O advogado de Rafael Lousa, Tadeu Batos, informou que o cliente “não tem nenhum envolvimento com qualquer irregularidade em relação à contratação”.

Em endereço ligado a Baldy em Brasília, foram apreendidos R$ 90 mil em dois cofres. Já no apartamento dele em Goiânia, a PF apreendeu um cofre e um tablet.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Ministério Público denuncia trio que matou dona de joalheria durante assalto em Ametista do Sul
Ministro da Economia diz que o governo anunciará até quatro privatizações de grandes empresas públicas em 60 dias
Deixe seu comentário
Pode te interessar