Quarta-feira, 27 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
26°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Geral Ex-senador cria outdoors para ironizar presidente dos Estados Unidos

Compartilhe esta notícia:

“Tornando o Talibã Grande Novamente”, diz provocação a Joe Biden. (Foto: Reprodução)

Um ex-senador estadual da Pensilvânia lançou uma campanha de outdoors com a frase “Make The Taliban Great Again” (“Tornando o Talibã Grande Novamente”) tratando o presidente norte-americano Joe Biden como um terrorista islâmico após a retirada das forças dos EUA do Afeganistão.

“A retirada precipitada do presidente Biden nos fez motivo de chacota para todo o mundo”, explicou o ex-senador republicano Scott Wagner. “O Talibã está declarando abertamente que expulsou os Estados Unidos do Afeganistão. Agora eles estão muito encorajados”, acrescentou.

Wagner, que já tentou ser governador e foi funcionário público do condado de York, espalhou a mensagem em 15 outdoors.

Cada um apresentava o rosto sorridente do presidente Biden sobreposto ao de um extremista talibã usando turbante afegão e brandindo o que parecia um lança-granadas, informou a Fox News.

O “Make The Taliban Great Again” faz referência ao bordão da campanha de Ronald Reagan e Donald Trump: “Making America Great Again” (“Tornando os EUA grandes novamente”).

A missão dos EUA para a retirada de civis afegãos e cidadãos americanos do Afeganistão para escapar do domínio do Talibã resultou em derramamento de sangue. Em 26 de agosto, o Estado Islâmico-K assumiu a responsabilidade pelo envio de um homem-bomba contra uma multidão de afegãos reunidos no Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul. O terrorista detonou um dispositivo que matou pelo menos 170 mortos (incluindo 13 americanos) e 155 feridos. Segundo Wagner, a responsabilidade é de Biden. O ex-senador disse ter apoio de centenas de veteranos de guerra.

França e EUA

Em outra frente, o ministro das Relações Exteriores da França acusou nesta quinta-feira (16) o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de “esfaquear o país pelas costas” e de agir como o seu antecessor, Donald Trump, após perder um contrato de US$ 66 bilhões feito com o governo da Austrália.

O “contrato do século” previa a construção de 12 submarinos de propulsão a diesel e elétrica e a transferência da tecnologia, mas a Austrália abandonou o negócio após assinar o Aukus, um acordo militar com os EUA e Reino Unido, na quarta-feira (15).

“Esta decisão brutal, unilateral e imprevisível me lembra muito o que o Sr. Trump costumava fazer”, afirmou o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, à rádio France Info. “Estou com raiva e amargo. Isso não é feito entre aliados.”

O Aukus – um jogo de palavras com as siglas dos três países em inglês (AU, UK e US) – é um acordo militar contra a crescente presença militar da China na região do Indo-Pacífico, que inclui os oceanos Índico e Pacífico. As informações do jornal Extra e do portal de notícias G1.

.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Geral

Governador do Amazonas confirma presença de público no jogo entre Brasil e Uruguai em outubro
Imigrante brasileira morre abandonada no deserto dos Estados Unidos durante travessia
Deixe seu comentário
Pode te interessar