Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Mostly Cloudy

Economia Fala do ministro da Economia divide opiniões no mercado e leva dólar a 4 reais e 24 centavos

Por volta das 11h, quando o dólar beirava os R$ 4,27, o Banco Central interveio e ofertou dólares à vista.

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Por volta das 11h, quando o dólar beirava os R$ 4,27, o Banco Central interveio e ofertou dólares à vista. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Uma fala do ministro da Economia Paulo Guedes sobre a continuidade do dólar em alta levou a cotação da moeda a subir 0,6%, a R$ 4,2410 nesta terça-feira (26). A declaração sobre o câmbio também dividiu opiniões no mercado financeiro. Há quem acredite que ela foi proposital, outros que foi apenas uma fala infeliz.

“O dólar está alto. Qual o problema? Zero. Nem inflação ele [dólar alto] está causando. Vamos exportar um pouco mais e importar um pouco menos. É bom se acostumar com juros mais baixos por um bom tempo e com o câmbio mais alto por um bom tempo”, declarou Paulo Guedes declarou na segunda-feira (25) à noite em Washington.

Com a fala do ministro, investidores interpretaram que o governo está confortável com o dólar acima de R$ 4,20 e veem espaço para a cotação subir mais, apostando na alta, o que eleva o valor da moeda.

Nesta terça-feira (26), o dólar abriu em alta, indo de R$ 4,2150 na véspera para R$ 4,2510. Por volta das 11h, quando o dólar beirava os R$ 4,27, o Banco Central interveio e ofertou dólares à vista. A cotação reagiu, arrefecendo a alta, mas logo retomou fôlego.

Às 14h54, o dólar chegou a uma nova máxima nominal intraday (durante o pregão), a R$ 4,277, alta de 1,2%. O pico culminou em novo leilão de dólares à vista, às 15h30, o que reduziu a alta da moeda a R$ 4,254, segundo cotação da CMA.

“Foi péssima a fala do Guedes. O dólar já estava alto ontem e hoje, com a fala dele, subiu mais. Pode ser que o ele queria dizer que a moeda ficará em R$ 4,20, mas ele não deveria ter falado o que disse, parece que está jogando contra o País”, conta Mauriciano Cavalcante, gerente de câmbio da Ourominas.

Entre as moedas de países emergentes, o real foi a quarta que mais se desvalorizou na sessão, atrás dos pesos colombiano, chileno e argentino. O movimento cambial refletiu na Bolsa brasileira, que recua 1,22% por volta das 17h07, a 107.094 pontos. No exterior, o viés é misto, com índices da Bolsa de Nova York e das Bolsas europeias estáveis e da América Latina em queda.

Para Fabrizio Velloni, chefe da mesa de câmbio e sócio da Frente Corretora, a fala de Guedes sobre o câmbio foi proposital, tendo em vista a divulgação, mais cedo na segunda (25), do déficit em transações correntes de US$ 7,9 bilhões (R$ 33,3 bilhões) em outubro, pior resultado para o mês desde 2014.

“Ele não é inexperiente para falar algo assim sem saber que vai impactar o mercado. Ontem o anúncio de déficit corrente sinalizou um risco às contas, que pode ser revertido com real desvalorizado e mais exportações”, diz Velolloni.

“Não acho que tenha sido proposital. Ele foi infeliz na fala dele. Queria dizer que estava tudo bem, mas causou stress no mercado e piorou a situação. A fala sobre o AI-5 também pesou, gerando instabilidade política com reações de Toffoli e Maia”, afirma Fernanda Consorte, economista-chefe do Banco Ourinvest.

Além de comentar sobre juros e dólar, o ministro da Economia disse que o AI-5 poderia voltar em resposta a possíveis protestos da oposição nas ruas.

“Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo para a rua para quebrar tudo. Isso é estúpido, é burro, não está à altura da nossa tradição democrática”, disse Guedes em Washington.

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), reagiram à declaração do ministro, em defesa da democracia.

O presidente Jair Bolsonaro, por sua vez, não quis comentar a declaração e ressaltou que o papel do auxiliar presidencial no governo é cuidar da política econômica e tergiversou, ao dizer que preferia falar sobre o seu novo partido, o Aliança pelo Brasil.

Analistas do mercado pontuam que a recente alta do dólar, que tem quebrado recordes, é fruto da saída de dólares do País. Neste ano, o saldo de câmbio contratado, que soma balança comercial e operações financeiras, está negativo em US$ 22,6 bilhões (R$ 95 bilhões), recorde nominal da série do Banco Central e início em 1982. Na Bolsa de valores: há saída de R$ 35,5 bilhões de investimentos estrangeiros no ano. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

O governo gaúcho libera verbas para a implantação de espaços pedagógicos em 142 escolas
Suspeito de estupro de criança de 5 anos é preso em Viamão
Deixe seu comentário
Pode te interessar