Domingo, 31 de Maio de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

Capa – Caderno 1 A Fundação Estadual de Proteção Ambiental vem intensificando a fiscalização contra os poluidores do rio Gravataí

Compartilhe esta notícia:

Foco é coibir o lançamento de água com elevada carga de sedimentos de lavouras. (Foto: Divulgação/Fepam)

De olho na proteção do rio Gravataí, a Fepam (Fundação Estadual de Proteção Ambiental) vem intensificando as operações de fiscalização em empreendimentos agropecuários licenciados pelo governo do Estado nos municípios de Viamão, Glorinha e Gravataí. O principal objetivo é coibir o lançamento de água com elevada carga de sedimentos das lavouras arrozeiras.

Por esse motivo, durante os meses de setembro e outubro foram realizadas ações semanais para verificar a situação nessas propriedades rurais. Analistas técnicos da Divisão de Culturas Agrícolas do Departamento Agrossilvipastoril e da Divisão de Fiscalização da Fepam atuaram em parceria, alertando os empreendedores para a importância do controle na liberação do esgoto doméstico, a fim de que não sejam transportados sedimentos para o rio.

No dia 24 do mês passado, as equipes realizaram uma ação especial com fiscalização terrestre e aquática no leito do rio, utilizando inclusive uma embarcação própria do órgão estadual. A ação foi reforçadas por um sobrevoo de helicóptero, especialmente cedido pela BM (Brigada Militar).

Foi constatado que as condições do rio Gravataí não apresentavam problemas, fato considerado pela Fundação como um indicativo de que o trabalho de orientação tem gerado resultados positivos. Algumas alterações na coloração da água foram observadas, mas os técnicos garantem que a situação está sendo monitorada, porém a turbidez apresentou resultados razoáveis.

“As análises de água realizadas pela Corsan (Companhia Riograndense de Saneamento) junto a um dos afluentes, o Passo dos Negros, mostra a situação sob controle no que se refere ao parâmetro turbidez”, reiterou o governo do Estado em seu site oficial.

A equipe técnica agronômica da Divisão de Culturas Agrícolas, ciente de que o cultivo de arroz em lavouras é uma atividade econômica de importância para a região, também tem dedicado esforços para que os licenciamentos ambientais das atividades irrigantes reflitam uma produção agrícola com bases sustentáveis em equilíbrio com o ambiente em que estão inseridas.

Barragem

Nessa segunda-feira, a SOP (Secretaria de Obras e Habitação) assinou uma ordem de início dos serviços para a supervisão das obras na barragem Taquarembó, em Dom Pedrito (região Sul gaúcha) e que também atenderá os municípios de Lavras do Sul e Rosário do Sul. Os serviços serão realizados pelas empresas Magna e Engevix, a um custo total de R$ 109 milhões. A primeira fase dos trabalhos já foi encerrada, ao passo que a segunda está em 26% de conclusão.

Em um primeiro momento, será elaborado um relatório sobre o que já foi executado e de quais serviços serão necessários até a finalização do empreendimento, paralisado desde 2011. “Depois disso, o Estado poderá licitar a nova empresa para a conclusão das obras”, adiantou o titular da pasta, José Stédile. “Hoje estamos celebrando o primeiro passo para a retomada das obras.”

No ato de assinatura, também estiveram presentes o diretor-adjunto da SOP, Vicente Pires, o engenheiro Luiz Saenger, e chefe de divisão de Barragens Públicas para Irrigação Agrícola da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Júlio César Porciúncula da Silva. O consórcio Magna/Engevix foi representado pelo diretor de barragens, Carlos Consíglio, pelo engenheiro Henrique Morador e pelo diretor Edgar Candia.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Capa – Caderno 1

O relator da PEC que prevê cortes no funcionalismo quer criar um bônus para servidores públicos
O governo federal quer aumentar o Imposto de Renda sobre remessas ao exterior a partir de 2020
Deixe seu comentário
Pode te interessar