Segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Showers in the Vicinity

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Esporte Gaúcho Daniel Cargnin conquista o primeiro bronze do Brasil na Olimpíada de Tóquio

Compartilhe esta notícia:

Gaúcho de 23 anos se recupera de derrota na semifinal, vence israelense Baruch Shmailov e leva a primeira medalha do judô

Foto: Reprodução
Gaúcho de 23 anos se recupera de derrota na semifinal, vence israelense Baruch Shmailov e leva a primeira medalha do judô. (Foto: Reprodução)

A modalidade que trouxe mais medalhas olímpicas ao Brasil na história entregou mais uma no segundo dia da Olimpíada de Tóquio 2020. A 23ª medalha do judô brasileiro em Jogos Olímpicos veio na manhã deste domingo (25), com o gaúcho Daniel Cargnin. O judoca de 23 anos da Sogipa venceu o israelense Baruch Shmailov para levar o primeiro bronze do Brasil na competição, na categoria peso-meio-leve (até 66 kg).

A luta foi tensa. Cargnin tinha dificuldade para conseguir a pegada, mas buscou o confronto e deu duas entradas sem sucesso. Com um minuto, Shmailov recebeu uma punição por falta de combatividade. Em seguida, o brasileiro obteve um wazari com um belo golpe.

A luta precisou ser interrompida, porque Cargnin sofreu um corte no nariz numa entrada do israelense. Ele recebeu atendimento para deter o sangramento. Quando voltou, Shmailov veio para cima com tudo. O israelense quase completou uma queda, mas Cargnin girou no ar para evitar a pontuação. Nos segundos finais, o brasileiro foi malandro, tomou punição por falta de combatividade, mas preservou a vitória. Ao fim da luta, chorou com a treinadora Rosicléia Campos.

Daniel dedicou a vitória à sua mãe, que sempre o apoiou. “Acho que a gente sonhou junto isso, e vou ser bem sincero que queria era pegar, ligar para ela e falar que valeu à pena. Quando uma vez estava em um treino, pequeno, voltei chorando porque tinha apanhado muito. Ela falou: “não, Dani, vamos comer alguma coisa e amanhã é um novo dia”. Desde a pandemia, machuquei duas ou três vezes, não fui para o Mundial porque peguei Covid-19, e pensei que não estava dando certo. Eu me esforcei bastante, fiquei na casa dela, que me deu todo o suporte. Não bateu a ficha”, disse, emocionado.

Sobre a luta do bronze, Cargnin contou como se preparou para a disputa após a derrota na semifinal. “Quando fui lutar a última, eu pensei, “Nossa, esse cara lembra que na última vez que eu lutei, eu venci ele!” Tentei me motivar porque perdi a semi!”, contou.

Algoz de Cargnin na semifinal, o japonês Hifumi Abe conquistou a medalha de ouro ao vencer o georgiano Vazha Margvelashvili com um wazari na final. O sul-coreano Baul An completou o pódio com a outra medalha de bronze, depois de vencer o italiano Manuel Lombardo.

tags: Olimpíada

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Esporte

Vaticano revela suas propriedades imobiliárias pela primeira vez
No skate, Kelvin Hoefler conquista a primeira medalha para o Brasil em Tóquio
Deixe seu comentário
Pode te interessar