Quinta-feira, 02 de Abril de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
22°
Mostly Cloudy

Acontece Governador José Ivo Sartori: “governar é contrariar interesses”

Governador José Ivo Sartori participou esta semana do programa "Pampa Debates", da TV Pampa, sob o comando de Paulo Sérgio Pinto. (Foto: Daniela Barcellos/Palácio Piratini)

O governador José Ivo Sartori mantém otimismo frente a 2017, mesmo considerando as dificuldades enfrentadas no ano passado, em um cenário que brange o País, Estado, municípios e sociedade: “Eu sou daqueles que acredito que é preciso plantar uma semente e o governo encaminhou propostas novas pensando em dias melhores. Nunca se deve perder as esperanças. A vida nos ensina que não tem volta, que é preciso ter postura, conduta e nós fizemos o que foi necessário mesmo contrariando pessoas. Governar é contrariar interesses”.

Ele aponta que o orçamento de 2016 foi realista, mostrado à sociedade, “com transparência e verdade”. Em 2015, o governo já visualizava dificuldades, com os indicativos apontando para um déficit de 25 bilhões de reais em 2018, mas com medidas de prevenção adotadas, hoje o valor está estimado, para o mesmo período, em 8,8 bilhões de reais.

“No primeiro dia de governo começamos cortando na própria carne, com diárias e afins. Tenho a certeza de que aquele que me suceder terá que fazer a mesma coisa se quiser achar um caminho. Não gostaria de estar parcelando salários e décimo terceiro, mas é preciso adequar o orçamento”.

O governador menciona a importância de um olhar à coletividade, ao Estado como um todo, seus 11 milhões de habitantes “que esperam uma posição do governo. Quanto mais coletivos formos, mais fácil será chegar a resultados” , uma colocação principalmente frente às manifestações contrárias às extinções de algumas fundações. Sartori explica que a medida partiu de inúmeros estudos e avaliações detalhadas, setor a setor destas instituições, verificando metas e resultados de cada uma delas. Dentro do processo de gestão, ele diz ainda que algumas secretaria também foram extintas, passando de 29 no início do governo a 17 atualmente. Uma das preocupações do líder de governo diz respeito aos inativos, que representam 56% da folha de pagamento do Estado, por isso mesmo a questão previdenciária também entra nas próximas pautas de discussões.

Sartori se mostra satisfeito com a recuperação das rodovias gaúchas, que exigiram investimentos alocados através de PPPs (parcerias público privadas) e outras das conquistas se deve a abertura do Porto de Pelotas, com a participação da CMPC (Celulose Riograndense), agilizando o transporte de toras de madeira, vinculado ao Porto de Rio Grande.

“Significa que já tiramos e vamos continuar tirando muitos caminhões das estradas e isso vai criar um nova ambiente para o Estado”. A reestruturação do Terminal de Conteineres Santa Clara, da Braskem, no Polo Petroquímico, da mesma forma dá novo vigor ao sistema hidroviário gaúcho.

O agronegócio, com foco nas exportações ganha relevância, pelo papel que o Estado representa neste segmento, além do apoio do governo às principais cadeias produtivas que passam pelo leite, uva e vinho, setor coureiro calçadista e indústria metalúrgica. “Nosso esforço é para manter a produtividade e a competitividade”. Ele diz que que a Assembleia Legislativa já aprovou um aumento de 20% no orçamento da Secretaria de Segurança e que ainda para 2017 está prevista a inauguração da segunda parte do presídio de Canoas. Ele faz votos para que “o RS encontre seu futuro de verdade neste ano que inicia”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Acontece

Rebelião em cadeia pública deixa mortos em Manaus
Uma semana após massacre em cadeia em Manaus, famílias aguardam liberação de corpos
Deixe seu comentário
Pode te interessar