Terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Esporte O tenista Novak Djokovic tem visto cancelado novamente e corre o risco de perder Australian Open

Compartilhe esta notícia:

O tenista sérvio não tomou a vacina contra o coronavírus

Foto: Reprodução/Twitter
O tenista sérvio não tomou a vacina contra o coronavírus. (Foto: Reprodução/Twitter)

Nove vezes campeão do Australian Open, o tenista número 1 do mundo, Novak Djokovic, teve o seu visto cancelado pela segunda vez, colocando em dúvida a sua participação no Aberto da Austrália. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (14) pelo ministro australiano da Imigração, Alex Hawke, que afirmou ainda estar buscando deportar imediatamente a estrela do tênis.

“Eu exerci meu poder sob a seção 133C (3) da Lei de Migração para cancelar o visto detido pelo senhor Novak Djokovic por motivos de saúde e ordem, com base no interesse público de fazê-lo”, destacou o ministro.

Ele afirmou ainda que, ao tomar essa decisão, considerou cuidadosamente as informações fornecidas pelo Departamento de Assuntos Internos do país, pela Força de Fronteira Australiana e pelo tenista sérvio.

Também nesta sexta-feira, o primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, afirmou que o cancelamento do visto de Djokovic foi “de interesse público” e que os australianos têm o direito de esperar que seus “muitos sacrifícios” durante a pandemia de Covid-19 sejam protegidos.

O tenista não tomou a vacina contra o coronavírus. O atleta também admitiu não ter cumprido isolamento após testar positivo para a Covid-19 e que houve um erro no preenchimento do formulário apresentado na imigração australiana.

Outros casos

Outros competidores de outros esportes, alguns deles muito relevantes, também não tomaram vacina e estão sofrendo ou podem sofrer as consequências da decisão que tomaram.

Joshua Kimmich

Hoje vacinado, Kimmich usou sua plataforma para falar abertamente contra a vacina. O volante esteve entre os cinco jogadores do elenco do Bayern que optaram por não tomar. Segundo ele, queria esperar mais estudos para entender as consequências de receber o imunizante.

Em novembro, o jogador foi contaminado, afastado das atividades, e os sintomas foram fortes. Com pequenas infiltrações no pulmão, Joshua tem previsão de voltar a jogar pelo time alemão apenas nesse começo de 2022. Após se recuperar a doença, o atleta decidiu se imunizar.

“No geral, era difícil demais para mim lidar com o meu medo e as minhas preocupações. Foi por isso que eu fiquei durante tanto tempo indeciso (sobre tomar ou não a vacina)”, declarou Kimmich.

Kelly Slater

Nas redes sociais, o 11 vezes campeão mundial de surfe se envolveu em discussões sobre a vacina contra a Covid-19. Alegando “saber mais sobre estar saudável do que 99% dos médicos”, o surfista defende que as pessoas têm o direito de escolher.

O surfista espalhou outras informações falsas em uma discussão com o australiano Matt Poole, campeão do Iron Man. Assim como Djokovic, Kelly Slater pode ter problemas para competir em países que exigirem vacinação. É o caso da Austrália, que recebe a quarta etapa do circuito mundial de surfe, em abril, na Bells Beach.

Kyrie Irving

Irving foi a principal voz contrária à vacina na NBA. Assim como boa parte dos outros atletas, o camisa 11 do Brooklyn Nets se mostrou reticente quanto às reações e espalhou muitas notícias falsas que vêm circulando sobre elas. Mas ele pagou um preço alto por decidir não se imunizar.

A liga não exige a vacinação dos atletas, porém alguns estados o fazem, especialmente no basquete que é jogado em uma arena fechada, e Novar York é um deles. Sendo assim, Kyrie só pode entrar em quadra nas partidas fora de casa.

Por isso, os Nets afastaram o jogador no começo da temporada, já que ele não poderia participar em metade dos jogos da equipe. Porém, em meio a um surto de Covid-19 que atingiu boa parte do elenco, os Nets chamaram Irving de volta e vêm usando ele apenas nas partidas longe de Nova York.

Aaron Rodgers

Assim como a NBA, a NFL também não obriga vacinação dos atletas, mas definiu protocolos muito mais rígidos para os não-vacinados, como exigência do uso de máscara, tempo de afastamento e até proibição de comer junto com os companheiros ou permanecer na academia com mais pessoas.

Sendo assim, os jogadores precisavam reportar se tomaram ou não a vacina. Tanto à NFL, quando à imprensa, Aaron Rodgers declarou estar imunizado, até que testou positivo para a Covid e descobriu-se que ele não tinha de fato tomado a vacina.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Esporte

Mantida decisão da Justiça gaúcha que concluiu pela abusividade em taxa de juros cobrada em cartão de crédito
Terceira parcela do Auxílio Brasil incluirá mais 3 milhões de famílias
Deixe seu comentário
Pode te interessar