Terça-feira, 16 de agosto de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
17°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Política Lula promete mudar a política de preços da Petrobras, se eleito

Compartilhe esta notícia:

Ex-presidente afirmou que pretende abolir o Preço de Paridade de Importação e retomar o modelo de gestão da era PT

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
Ex-presidente afirmou que pretende abolir o Preço de Paridade de Importação e retomar o modelo de gestão da era PT. (Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta quarta-feira (27), que pretende mudar a política da Petrobras e abolir o modelo de PPI (Preço de Paridade de Importação), se for eleito em outubro. Segundo o petista, o presidente Jair Bolsonaro (PL) “não teve coragem” de tomar medidas para reduzir o preço do combustível que sai das refinarias.

“Essa história de PPI é para agradar os acionistas, em detrimento dos 230 milhões de brasileiros”, afirmou. A estatal, porém, tem como maior acionista a União. “A gente pode reduzir o preço, sim, o presidente não teve coragem”, completou.

O petista voltou a argumentar que o País poderia ser “autossuficiente” na produção de derivados do petróleo e defendeu tornar a estatal “senão a primeira, a segunda maior empresa petroleira do mundo”. A Petrobras passou a trabalhar com alinhamento de preços ao mercado internacional a partir do governo de Michel Temer, que desfez a política de preços controlados de Dilma Rousseff (PT).

Lula tem defendido retornar o modelo de gestão adotado para a estatal na gestão do PT. O ex-presidente costuma argumentar que a população “ganha em real e gasta em real” e, por isso, o preço dos combustíveis não deveria ficar suscetível às flutuações do câmbio.

Outra alegação frequente do presidente é de que o País é “autossuficiente” em petróleo, mas carece de refinarias para abastecer o mercado interno. Nesta quarta-feira, ele disse: “Um país que é autossuficiente em petróleo, que poderia estar exportando derivado, não tem capacidade de refinar a quantidade de consumo que nós precisamos (…) É uma vergonha”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Organização Mundial da Saúde admite pela primeira vez que a varíola dos macacos pode ser transmitida sexualmente
Federação Brasileira de Bancos apoia a Fiesp e assina manifesto pró-democracia
Deixe seu comentário
Pode te interessar