Terça-feira, 26 de outubro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
19°
Fair

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Maioria da população teme piora da situação econômica nos próximos seis meses

Compartilhe esta notícia:

Maior parte aposta na recuperação da economia e das finanças pessoais a partir do próximo ano. (Foto: Divulgação)

A maior parte da população brasileira está pessimista e teme piora da situação econômica nos próximos seis meses, segundo levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). A percepção é negativa tanto em relação ao desemprego quanto a poder de compra, inflação, custo de vida e taxa de juros.

“Mesmo com a projeção de crescimento do PIB (produto interno bruto) em 2021 entre 5% a 5,5%, o avanço da vacinação contra a covid-19, e a flexibilização de boa parte das restrições impostas em todos os setores, a maioria da população permanece apreensiva”, diz a entidade em nota.

De acordo com a pesquisa, 55% dos brasileiros não acreditam que a situação financeira pessoal se recupere ainda esse ano. Essa fatia era de 52% em junho.

Mais de dois terços dos entrevistados (68%) estimam que a economia brasileira só deve dar sinais de melhora a partir do ano que vem. O percentual daqueles que acham que a economia não vai se recuperar passou de 9% em março para 15% em setembro.

A pesquisa foi realizada com 3 mil entrevistados em todas as regiões do Brasil entre os dias 2 e 7 de setembro. Veja destaques da pesquisa:

Em uma projeção para os próximos seis meses:

— 76% apostam no aumento da taxa de juros

— 74% acreditam que a inflação e o custo de vida irão aumentar

— 54% preveem o aumento do desemprego

— 51% creem que o poder de compra das pessoas vai diminuir

Renda para consumo

Pelo País, não faltam exemplos de brasileiros que estão com dificuldade para fechar a conta todo mês. Neste ano, de cada R$ 100 do orçamento das famílias brasileiras, sobram apenas R$ 41,22 para consumir, pagar dívidas e investir, mostra um levantamento da consultoria Tendências.

Isso significa que a maior parte da renda vai para itens considerados essenciais – como combustível, energia elétrica, transporte, entre outros. As famílias não tinham uma situação financeira tão apertada desde 2005, quando a renda disponível era de apenas R$ 40,98.

O orçamento dos brasileiros tem sido pressionado por uma combinação bastante perversa: uma alta dos preços dos alimentos, que se arrasta desde o ano passado, e um aumento do valor dos combustíveis e da energia elétrica.

“No meio do ano passado, itens como alimentação em domicílio passaram a pressionar o orçamento”, afirma Isabela Tavares, economista da consultoria Tendências e responsável pelo levantamento. “Neste ano, a gente vê bastante pressão por parte de combustíveis e, agora, tem a energia elétrica.”

Em detalhe, os números mostram que a situação é ainda mais dramática para os brasileiros das classes D e E, que ganham até R$ 2,6 mil por mês e sofrem mais com o aumento dos preços. Para esse grupo, sobram apenas R$ 21,63 por mês.

“Não tem escapatória. As classes mais baixas não têm como se defender muito nesse momento. A gente está com um nível de desemprego recorde no Brasil”, diz o economista Marco Maciel. “O desemprego afetando milhões de brasileiros tende a fazer com que a capacidade de reagir ao aumento da inflação seja muito limitada.”

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Exportação de armas cresce no Brasil, e especialistas veem risco de comércio com países que violam os direitos humanos
Ministério da Educação estuda criar a primeira universidade federal digital do Brasil
Deixe seu comentário
Pode te interessar