Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Brasil Maioria dos reajustes salariais até outubro tiveram ganhos reais, diz Dieese

Compartilhe esta notícia:

Em 41% das negociações houve reajustes superiores ao Índice INPC.

Foto: Letícia Castro/O Sul
Em 41% das negociações houve reajustes superiores ao Índice INPC. (Foto: Letícia Castro/O Sul)

A maioria dos reajustes salariais no País, considerando o período do início do ano até outubro, resultou em ganhos reais para os trabalhadores (acima da inflação). Em 41% das negociações houve reajustes superiores ao Índice INPC (Nacional de Preços ao Consumidor). Os dados, divulgados nesta segunda-feira (23), são do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Segundo o levantamento, 18,3% dos reajustes trouxeram ganhos de até 0,5%; 12,8% tiveram ganhos entre 0,51% e 1%; 6,6%, ganhos de 1,1% a 2%; e 3,3% ganho real acima de 3%. Os reajustes iguais ao INPC foram observados em 31% das negociações; e em 28% ficaram abaixo da inflação medida pelo índice.

Outubro

No décimo mês do ano, 48,3% dos reajustes salariais analisados na data-base de outubro ficaram abaixo do INPC. O percentual de reajustes iguais à inflação atingiu o patamar de 20,7%; e 31% das negociações no mês trouxeram aumentos reais.

Em outubro, ante uma inflação de 3,89% nos 12 meses anteriores (INPC), o percentual de reajustes iguais a 0%, ou seja, a manutenção do salário sem acréscimo nenhum atingiu o patamar de 12,1% das negociações. É a terceira maior incidência no ano, atrás somente de maio (16,4%) e julho (12,6%).

Este ano, 676 negociações não tiveram reajustes, o que representam cerca de 9% do total. Para comparação, em 2019 foram observadas 39 negociações sem reajustes salariais, o que corresponde a 0,3% do total analisado no ano.

Décimo terceiro salário deve injetar R$ 208 bi na economia

O pagamento do décimo terceiro salário aos trabalhadores brasileiros deve injetar R$ 208 bilhões na economia brasileiro neste ano. Em valores reais, o montante é 5,4% inferior ao registrado em 2019, de acordo com estimativa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), divulgada no final de outubro.

A queda de 5,4% é a maior retração anual desde o início do acompanhamento realizado pela CNC, em 2012. Um dos motivos para a queda é a MP (Medida Provisória) 936 deste ano, que autorizou a redução do salário proporcional à jornada e a suspensão temporária do contrato de trabalho, com a justificativa de preservar empregos em meio à pandemia da Covid-19.

A CNC cita dados do Ministério da Economia que mostram que, entre abril e agosto foram firmados 16,1 milhões de acordos entre patrões e empregados no âmbito da MP 936, sendo 7,2 milhões de suspensão do contrato de trabalho 3,5 milhões de redução de 70% da jornada.

Segundo a CNC, o vencimento médio pago em 2020 (R$ 2.192,71) terá um recuo de 6,6% em comparação ao valor de 2019 (R$ 2.347,55). O presidente da CNC, José Roberto Tadros, atribui a queda do montante do décimo terceiro ao recuo expressivo da atividade econômica e do avanço da informalidade.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final
Cartão Tri Social começa a ser distribuído em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar