Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
15°
Fair

Brasil Mercado financeiro reduz estimativa para inflação e taxa Selic em 2019

(Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Pela oitava vez seguida, o Banco Central (BC) reduziu a estimativa de inflação neste ano. A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional é de 4,25% em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira (30) que a mediana das previsões para a Selic este ano foi de 5% para 4,75% ao ano. Há um mês, estava em 5%. Já a projeção para a Selic no fim de 2020 permaneceu em 5% ao ano, ante 5,25% de quatro semanas atrás.

Há duas semanas, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,50 ponto percentual, de 6,00% para 5,50% ao ano. Foi o segundo corte consecutivo da taxa básica. No comunicado sobre a decisão, o BC avaliou que o cenário externo, apesar de incerto, está favorável para países emergentes. Além disso, reconheceu avanços nas reformas econômicas e divulgou projeções “comportadas” de inflação para 2019 e 2020.

O mercado financeiro não alterou a estimativa para o fim de 2020: 5% ao ano. Para 2021, a expectativa é que a Selic termine o período em 6,50% ao ano. Na semana passada, a previsão era 6,75% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão permanece em 7% ao ano.

Crescimento da economia

A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – é mantida em 0,87% em 2019, há quatro semanas consecutivas. As estimativas para os anos seguintes também não foram alteradas: 2%, em 2020 e 2,50%, em 2021 e 2022.

 

 

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Número de vítimas identificadas em tragédia de Brumadinho sobe para 250, diz Polícia Civil
Três suspeitos de matar jovem na Orla do Guaíba, em Porto Alegre, são identificados
Deixe seu comentário
Pode te interessar