Terça-feira, 25 de janeiro de 2022

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Mostly Cloudy

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Brasil Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga diz que o “ministério não tem envolvimento com ataque hacker”

Compartilhe esta notícia:

Ministro também negou que a vacinação das crianças possa ser uma exigência para o retorno às aulas. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro da saúde, Marcelo Queiroga, visitou nessa sexta-feira (14) o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro, na Zona Sul da capital fluminense. Questionado sobre o apagão de dados da pasta e o pedido de parlamentares para uma investigação sobre uma possível sabotagem, ele afirmou:

“Se houve sabotagem, deve ter sido… não foi por parte do ministério, tá? É de parte de criminosos. Tudo isso tá sendo apurado pela polícia federal. Onde falta transparência não é no nosso governo”.

No evento, Queiroga aplicou a terceira dose em Raphael Camara, secretário nacional de Atenção Primária do Ministério da Saúde.

Queiroga, que havia dito que o “sucesso” da campanha de vacinação se deve ao “pressuposto da liberdade”, travou o seguinte diálogo com Câmara:

“Você me obrigou a estar aqui, ministro?”

“Não, nem eu nem ninguém, né?”

Queiroga foi questionado se recomenda a vacinação para crianças de 5 a 11 anos e discorreu sobre os estudos da vacina. Perguntado, em seguida, se vacinaria um filho nesta idade, ironizou.

“Se eu tivesse um filho dessa idade, minha mulher ia me pegar, cara.”

Sobre a vacinação de crianças, ele evitou estimular diretamente a imunização.

“Todos os pais que desejarem vacinar seus filhos terão vacina suficiente. Garantia que o Ministério da Saúde dá a cada pai e a cada mãe.”

O ministro também afirmou que a vacinação de crianças “não é uma questão coletiva”.

“Essa é uma questão que não é coletiva, é uma questão que os pais tem que tomar a decisão. Até porque a própria indústria farmacêutica não se responsabiliza por efeitos adversos e foi necessária a aprovação de uma legislação específica. Mas até o presente momento, as agências sanitárias, de uma maneira geral, tem atestado a segurança da vacinação”.

tags: em foco

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Uber entra no mercado de ônibus fretados após deixar de entregar comida no Brasil
INSS lança projeto de perícia médica por telemedicina
Deixe seu comentário
Pode te interessar