Domingo, 05 de Julho de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Cloudy

Ciência Misterioso objeto ultra brilhante desperta perto da Via Láctea depois de 26 anos

Compartilhe esta notícia:

Grande Nuvem de Magalhães. (Foto: Reprodução/Nasa)

O site russo Sputniknews publicou um estudo produzido por Amar Deo Chandra para a revista Royal Astronomical Society que, depois de 26 anos, identificou uma fonte de luz ultrabrilhante de raios-x despertando em duas galáxias anãs que orbitam na Via Láctea: Grande Nuvem de Magalhães e Pequena Nuvem de Magalhães.

Trata-se do segundo objeto próximo da nossa galáxia cujo brilho emitido é superior a um milhão de sóis.

O objeto luminoso chamado RX J0209.6-7427 já havia sido identificado anteriormente em 1993 durante uma erupção que durou seis meses. Ao ressurgir o pulsar de luz foi identificado na Ponte de Magalhães – corrente de gás que une as galáxias de Magalhães.

Não se sabe ao certo a formação deste objeto, mas especialista apontam que seja “um sistema binário que contém uma estrela de nêutrons e outro astro luminoso raro da classe Be, que é muito quente e gira a enormes velocidades”, conforme informações do site. A característica da classe Be impede identificar a natureza da fonte de luz.

O objeto não se manifestava desde 1993, mas a última erupção de luz foi identificada pelo satélite indiano AstroSat em novembro de 2019. As características pouco conhecidas do RX J0209.6-7427 só permitem classificá-lo como fontes de raio-x ultra brilhante. O curioso é que suas explosões podem ser vistas como pequenos pontos no céu do planeta terra, mas têm um brilho comparável à luminescência de galáxias inteiras.

Como não se sabe ao certo a origem deste destas fontes, elas são compreendidas como ” buracos negro s de tamanho médio ou estrelas de nêutrons que absorvem o material de corpos celestes próximos e rodeados por um disco de acreção”, como explica a publicação.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Em plena pandemia do coronavírus, o nível de concentração de dióxido de carbono na atmosfera atingiu o maior valor mensal já medido
USP desenvolve vacina por spray nasal contra o coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar